Exemplos de gestão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ontem à tarde o pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade, rejeitou os embargos de declaração apresentados pela assessoria jurídica do deputado estadual Valmir Monteiro (PSC). Com isso, o parlamentar pode perder o mandato e ficar ineleg
Ontem à tarde o pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade, rejeitou os embargos de declaração apresentados pela assessoria jurídica do deputado estadual Valmir Monteiro (PSC). Com isso, o parlamentar pode perder o mandato e ficar ineleg

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/03/2016 às 00:32:00

Ontem à tarde o pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade, rejeitou os embargos de declaração apresentados pela assessoria jurídica do deputado estadual Valmir Monteiro (PSC). Com isso, o parlamentar pode perder o mandato e ficar inelegível.
O processo julgado é referente ao período em que Valmir Monteiro era prefeito de Lagarto. Tem a ver com a perda de prazo de recurso em processo em que era acusado de improbidade administrativa.
A assessoria jurídica do deputado informou que o seu mandato parlamentar na Assembleia Legislativa continua preservado porque o processo ainda não transitou em julgado, ou seja, ainda cabem recursos no próprio STJ e, se necessário, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Exemplos de gestão

Pesquisa realizada este ano sobre avaliação da gestão de prefeitos de algumas capitais do país revela a boa aceitação popular de três prefeitos jovens de 30 a 40 anos que administram três capitais do Nordeste. A pesquisa foi realizada pelo Instituto Paraná, visando conhecer o nível de satisfação da população com as administrações municipais eleitas em 2012.
O campeão é o prefeito de Salvador, ACM Neto, com 85% de aceitação popular. Quem vai na capital baiana hoje pode constatar que a crise econômica passou longe. Salvador é um canteiro de obras, tanto na zona sul quanto na periferia da cidade. Toda extensão da orla, da Barra até Itapuã, está com outra cara e com dezenas de obras concluídas ou em fase de conclusão. A cidade está limpa e bem iluminada.
O segundo melhor avaliado é o prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), com 64% de aceitação da população. Na capital alagoana não existe grandes obras como Salvador, mas a cidade está limpa, sem buraco e bem iluminada, que é o princípio básico de qualquer gestão. O mesmo ocorrendo em Recife, quando o prefeito Geraldo Júlio (PSB), vem em terceiro lugar com 58% de boa aceitação.
Aracaju, que está entre Salvador e Maceió, passa longe de ter um prefeito bem avaliado. É grande a rejeição ao prefeito João Alves Filho (DEM) nos quatro cantos da cidade e nas redes sociais, ao contrário dos outros três colegas prefeitos vizinhos que estão muito bem avaliados e com chances concretas de serem reeleitos no pleito deste ano por W0 já no primeiro turno.
O pior é que João Alves está chegando ao final do seu mandato sem cumprir com as promessas de campanha e, o mais grave, conseguiu piorar os problemas de Aracaju mesmo tendo arrecadado mais com o aumento abusivo do IPTU e a criação da taxa de iluminação pública.
O prefeito nem está conseguindo concluir as obras deixadas pelo seu antecessor Edvaldo Nogueira (PCdoB), o que levou a queda esta semana do seu amigo há décadas, Luiz Durval, da Secretaria da Infraestrutura.
O agravamento dos problemas na saúde, com a falta de medicamentos e médicos nos postos de saúde; a ameaça de demissão em massa dos médicos contratados para as UPAs por conta do atraso do pagamento, e o eterno problema com o Hospital Cirurgia também pelo não repasse de recursos, acarretando o atendimento no Huse, acabou provocando a queda de mais um secretário da Saúde no governo JAF, o Luciano Paz.
Somado a isso, ainda tem o grave problema da educação quando o ano letivo nas escolas do município ainda nem começou por conta da greve dos professores. E tem ainda a ameaça permanente da suspensão da coleta do lixo por falta de pagamento e a continuidade da cidade permanecer às escuras, favorecendo a marginalidade.
Trocando em miúdos, João Alves vai terminar o seu governo em dezembro de 2016 em grande dificuldade simplesmente porque não administrou Aracaju como prefeito, mas como governador. Não ouviu o que disse o seu vice José Carlos Machado (PSDB) de que ser prefeito é como ser sindico de um grande condomínio.
Quem vai usar bem a seu favor o resultado da pesquisa do Instituto Paraná é o pré-candidato a prefeito de Aracaju, o deputado federal Valadares Filho (PSB). Não porque João Alves tem 74 anos, mas pela sua mente envelhecida, pela sua forma equivocada de governar em um tempo de poucos recursos e Lei de Responsabilidade Fiscal.

Sucessão municipal 1
Em conversa ontem com a coluna, o governador Jackson Barreto (PMDB) - que encontra-se em Brasília desde a segunda-feira cumprindo uma extensa agenda administrativa - disse que somente no final de maio decidirá quem vai apoiar para prefeito de Aracaju no seu grupo político. Defendeu que haja apenas duas pré-candidaturas para não dividir muito o bloco.

Sucessão municipal 2
JB garantiu que não vai impor nomes. "Vou conversar com todos. Cada um que trabalhe e se fortaleça. Quem vai decidir é a vontade popular", afirmou, enfatizando que não precisa ter pressa porque as convenções partidárias serão em julho e a campanha será de apenas 45 dias, começando no dia 16 de agosto.
Dialogando 1
O governador começou a conversar sobre as eleições municipais. Revelou que na segunda-feira passada tomou café da manhã em Aracaju com os deputados federais Valadares Filho (PSB) e Fábio Mitidieri (PSD), e com o deputado estadual Luiz Mitidieri (PSD). Anteontem jantou em Brasília com o deputado federal Fábio Reis (PMDB) e o ex-prefeito Jerônimo Reis e quando retornar a Aracaju conversará com o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB).

Dialogando 2
Jackson disse ainda que conversou com o senador Valadares na quarta-feira pela manhã. "A conversa foi boa, educada e civilizada sobre a sucessão. Falei sobre a minha expectativa de aliança e da garantia de espaço para todos", disse.
Dialogando 3
Ainda segundo JB, no encontro com o senador ele deixou claro que não está advogando candidaturas. "Minha posição simpática é advogar espaço para manter os aliados em 2018. Não podemos dividir, todos nós temos que estarmos unidos em 2016 e 2018", afirmou.  

Dialogando 4
Disse ainda que já começou a conversar com os amigos do interior e que achou muito proveitosa a conversa com Jerônimo Reis, o qual o convidou a se filiar ao PMDB e prometeu fazer uma grande festa de filiação. Jackson, inclusive, externou sua vontade de Jerônimo ser pré-candidato a prefeito de Lagarto em 2016.

Maratona
O governador estava muito satisfeito ontem com o resultado das várias audiências que teve em Brasília desde a terça-feira: ministros Marcelo Castro (Saúde), Gilberto Kassab (Cidades), Aloízio Mercadante (Educação), Gilberto Occhi (Integração Nacional) e Isabela Teixeira (Meio Ambiente). Além do presidente da Funasa, Henrique Pires; da presidente do Incra, Lúcia Falcón e dirigentes do Banco Mundial.

Com Dilma 1
Ressaltou que saiu muito "otimista" da audiência que teve com a presidente Dilma Rousseff, onde tratou de vários pontos, entre eles que fosse resolvido junto à Petrobras a liberação da exploração de uma área em Santo Amaro, onde a empresa de cimento Apodi deseja se instalar, proporcionando investimento de R$ 1 bilhão e geração de cerca de 2 mil empregos durante a obra e 500 na sua instalação.

Com Dilma 2
JB afirmou que na reunião tratou também das reivindicações dos governadores, principalmente a que diz respeito à renegociação das dívidas dos Estados. "Disse a Dilma que os governadores estão frustrados por vir sentando há mais de um ano com o governo para discutir essa questão e que não aguentam reuniões e reuniões sem nenhuma decisão", frisou.

Com Dilma 3
Enfatizou que colocou ainda para a presidente que na reunião dela hoje com os governadores, do qual participará, ela precisava fechar uma posição com relação à dívida dos estados. Revelou ainda Jackson que ao falar da questão da dívida de Sergipe, a presidente se dirigiu ao computador para fazer um cálculo de quanto estava.

Com Dilma 4
Ao final da audiência o governador disse a presidente Dilma que ela precisava ajudar Sergipe, pois a Bahia tinha como padrinho na liberação de recursos o ministro Jaques Wagner (Casa Civil) e Alagoas o presidente do Senado, Renan Calheiros, e Sergipe tava como sanduiche no meio desses dois estados. "Ela disse que seria a madrinha de Sergipe", frisou.

Resposta imediata
O que deixou Jackson muito satisfeito ontem foi que logo pela manhã o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, ligou para ele comunicando que não se preocupasse com a questão da Petrobras em Santo Amaro para instalação de uma fábrica de cimento porque o problema estava resolvido. Assegurou que a empresa está investindo nos campos de Riachuelo e Siririzinho, mediante a queixa junto a presidente Dilma, que a estatal não estava mais investindo no estado. Pelo visto a "madrinha" Dilma começou a agir por Sergipe.

Desobediente
Informações chegadas à coluna dão conta que o fato decisivo para Luciano Paz deixar a Secretaria Municipal de Saúde foi por desobediência ao prefeito João Alves (DEM).  JAF determinava uma coisa, tipo o não corte do ponto de médicos em greve, e ele não acatava.

Defesa de um nome
Existe um movimento na Câmara Municipal, entre os vereadores aliados do prefeito, para indicar o vereador Dr. Agnaldo Feitosa (PR) para a Secretaria da Saúde. É que além de médico não disputará a reeleição este ano. Setores próximos ao prefeito, no entanto, informam que ele teria convidado para o cargo Gilvan Pinto, que é médico particular de João Alves.

Expectativa
João Alves, que retornou ontem de viagem, deve anunciar até a próxima segunda-feira os novos secretários da Saúde e Infraestrutura.

Veja essa...
Do presidente estadual do PMDB, João Augusto Gama, ontem, no programa de George Magalhães, ao ser indagado como viu a aliada, a deputada estadual Ana Lúcia (PT), ter votado contra as contas do governo do exercício de 2014: "Ela não é da base aliada. Ela é oposição declarada. Votou contra por votar, pois não houve corrupção nas contas".

Curtas
Através da coluna, o governador Jackson Barreto agradeceu aos deputados Venâncio Fonseca (PP), Antonio dos Santos (PSC) e Capitão Samuel (PSL) por terem votado a favor das contas do seu governo do exercício de 2014, na Assembleia Legislativa.

Durante audiência com a presidente Dilma Rousseff, o governador a presenteou com um pacote de castanhas de caju de Itabaiana. "Sei que ela gosta muito", disse JB à coluna.

Jackson não é a primeira autoridade a presentear um presidente com iguarias de Sergipe. Quem fazia muito isso era o senador Lourival Batista para o então presidente José Sarney. Lourival, sempre que tinha audiência no Planalto, levava para Sarney sorvete de Mangaba da antiga Cinelândia.

A deputada Goretti Reis (DEM) convidou ontem, na tribuna da Alese, todos os parlamentares para participarem do Seminário da Secretaria de Saúde da Unale, que será realizado na próxima quinta-feira, em Fortaleza (CE), na Assembleia Legislativa daquele estado.

Nessa sexta-feira o deputado federal Fábio Reis (PMDB) e o prefeito de Lagarto, Lila Fraga, participam da inauguração da praça e da pavimentação a paralelepípedo do Povoado Pindoba, em Lagarto. As obras foram executadas com recursos das emendas destinadas pelo parlamentar.