O racha

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O senador Eduardo Amorim (PSC) deu ontem uma demonstração de que é mesmo pré-candidato a prefeito de Aracaju e que de nada adiantou a tentativa de unidade proposta pelo vice-prefeito José Carlos Machado, após perder o comando do PSDB em Aracaju. Partido q
O senador Eduardo Amorim (PSC) deu ontem uma demonstração de que é mesmo pré-candidato a prefeito de Aracaju e que de nada adiantou a tentativa de unidade proposta pelo vice-prefeito José Carlos Machado, após perder o comando do PSDB em Aracaju. Partido q

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 26/02/2016 às 00:33:00

O senador Eduardo Amorim (PSC) deu ontem uma demonstração de que é mesmo pré-candidato a prefeito de Aracaju e que de nada adiantou a tentativa de unidade proposta pelo vice-prefeito José Carlos Machado, após perder o comando do PSDB em Aracaju. Partido que pretendia disputar a prefeitura.
Tão logo chegou a Aracaju ontem foi ao bairro Santa Maria visitar a reforma da cozinha escola do Instituto Rahamim e parabenizar o ex-frade Cristiano Lima. Ao lado do pároco da Igreja São Rafael Arcanjo, Edvaldo Santana, e do fundador do instituto Cristiano Lima, percorreu algumas ruas do bairro e discutiu as necessidades da paróquia.,

O racha

Aliados do senador Eduardo Amorim (PSC) dão como certa a sua pré-candidatura a prefeito de Aracaju nas eleições deste ano, principalmente agora depois que perdeu o comando do PSDB em Aracaju para o vice-prefeito tucano José Carlos Machado. Era pelo PSDB que o parlamentar pensava em concorrer ao pleito.
Se confirmando mesmo a candidatura de Amorim, o prefeito João Alves Filho (DEM) será o mais afetado. Isso porque o eleitorado dos dois é o mesmo, levando a uma divisão de votos e aliados.
Em 2012, João Alves foi eleito prefeito em uma coligação DEM, PSDB, PP, PSC, PTN, PMN, PR, PTB, PRP, PSL, PTC, PRTB e PPL. Com o racha com os irmãos Amorim e seu bloco, ficará com menos da metade dessas legendas.
É certo que o prefeito terá na sua coligação DEM, PSDB, SDD. Pode agregar ainda PEN e PPS. Já o senador deverá contar com os demais partidos que estiveram na aliança com JAF em 2012: PSC, PP, PMN, PTN, PTB, PR, PRP, PSL, PTC, PRTB e PPL.

Com a conquista do PSDB, João Alves terá mais tempo de televisão no programa eleitoral que Amorim, que só contará com partidos considerados nanicos. Mas em termos de lideranças apoiando, os dois se equilibram. JAF terá, como aliados de peso, o deputado federal Laércio Oliveira, o vice José Carlos Machado e o ex-governador Albano Franco, além da senadora licenciada Maria do Carmo (DEM) e vereadores.
Já Amorim contará com os deputados federais André Moura (PSC) e Adelson Barreto (PTB), o irmão Edivan Amorim e vários deputados estaduais e vereadores do seu bloco. A favor do senador o grande desgaste político do ex-aliado JAF pelas promessas não cumpridas de campanha, aumento abusivo do IPTU e criação da taxa de iluminação pública.
Na base aliada do governo também haverá um racha, com as três pré-candidaturas praticamente já definidas: Valadares Filho (PSB), Edvaldo Nogueira (PCdoB) e Zezinho Sobral (PMDB). Eles também vão dividir aliados do bloco que elegeu Jackson Barreto governador em 2014: PT / PSD / PC do B / PRTB / PDT / PRP / PROS / PSDC / PMDB / PSB / PRB).

Pelos entendimentos, Valadares Filho já tem o apoio oficial do PSD e Zezinho Sobral conta com o apoio do PT e PRB. Conversas vão começar em março com a participação do governador Jackson Barreto, que vai coordenar o processo sucessório do seu bloco.
As águas de março ainda não chegaram, mas o pleito em Aracaju já caminha para uma definição de candidaturas e alianças.
A expectativa agora é quem vai para o segundo turno. O governador já fez a sua aposta: dois aliados do governo. Aliados de Amorim já declararam à coluna que não sabem quem vai estar no segundo turno, mas existe a certeza de que João Alves não estará nele e que ele amargará a maior derrota política das sua vida.
Agora é aguardar os entendimentos finais e a eleição chegar...

Otimista
O vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB) está otimista de que o senador Eduardo Amorim (PSC) e o seu bloco político venham apoiar a reeleição do prefeito João Alves Filho (DEM), mesmo após o episódio do PSDB. Disse que está com esse sentimento após a conversa que teve anteontem, em Brasília, com Eduardo, o senador Ricardo Franco (DEM), os deputados federais André Moura (PSC), Laércio Oliveira (SDD) e Adelson Barreto (PTB), e, por telefone, com o empresário Edivan Amorim.

Defesa da unidade
Segundo ele, a conversa foi no sentido de mostrar a necessidade de um entendimento político entre os dois blocos. "Se 2016 é importante, 2018 é fundamental com a eleição para governador e presidente da República. Os adversários serão difíceis, havendo a necessidade de unidade", afirmou Machado à coluna, enfatizando que encontrou da parte de todos "uma boa vontade".
Entusiasmado
Ressalta que ficou satisfeito com o fato de ter sido "muito bem recebido" por Eduardo Amorim. "O senador chegou a dizer que era um homem de diálogo, aberto, pronto para conversar e que era só convidá-lo", afirmou.

Relato
Machado disse que vai esperar o prefeito João Alves retornar de São Paulo para relatar as conversas em Brasília com Eduardo Amorim e seus aliados. "Se todos estão dispostos a conversar, então está fácil. Tenho a esperança de um entendimento. Farei tudo para que isso aconteça, pois o sucesso da campanha depende desse entendimento", avalia.

Será?
Informações chegadas à coluna dão conta que o líder da oposição na Assembleia Legislativa, pastor Antonio dos Santos (PSC), vem conversando com o governo para que possa integrar a sua bancada no Poder Legislativo. E que o ex-líder Valmir Monteiro (PSC) está mais para vestir a camisa do governo, que permanecer onde está.

Na Alese 1
Os senadores Antonio Carlos Valadares (PSB), Ricardo Franco (DEM), o suplente de senador Kaká Andrade (PDT) e o ex-senador e governador Albano Franco (PSDB) participaram ontem da audiência pública sobre projeto de lei que altera regras sobre a terceirização e que tramita no Congresso Nacional, presidida pelo senador Paulo Paim (PT/RS). O evento aconteceu à tarde, no plenário da Assembleia Legislativa, com as presenças de representantes de sindicatos, do Ministério Público, advogados e estudantes.

Na Alese 2
Segundo Paim, a audiência pública que vem sendo realizada em várias capitais debate a não aprovação de mudanças nas leis trabalhistas e previdenciárias, principalmente se forem prejudiciais aos trabalhadores, aposentados e pensionistas. Ressalta que não quer que se retirem direitos dos trabalhadores, mas, sim, que se combata a sonegação, que foi de R$15 bilhões no ano de 2013, de quase R$14 bilhões em 2012 e de R$13,1 bilhões em 2011.

Na Alese 3
Revela o senador que de acordo com a Anfip esses são dados relativos, pois a sonegação pode ser muito maior do que essa, podendo se multiplicar por cinco. Entende que não é mudando e fazendo com que a mulher trabalhe por mais dez anos que se vai resolver isso.

Na Alese 4
Paulo Paim conseguiu a garantia dos três senadores de Sergipe para votar a favor do seu relatório contra o projeto de terceirização de autoria do ex-deputado federal Sandro Mabel (PR-GO), aprovado na Câmara. O senador Valadares, inclusive, registrou em plenário o seu voto. Disse que não contava com o apoio dos três senadores da Bahia e Rio de Janeiro.

Coletiva
Paulo Paim, que é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal e relator do projeto que altera regras da terceirização, concederá entrevista coletiva hoje sobre a proposta do Projeto de Lei (PLC) 30/2015. A coletiva de imprensa será realizada às 7h30, no auditório da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Logo após, seguirá para Maceió, onde presidirá nova audiência pública.

Transposição
O senador Raimundo Lira (PMDB-PB) fez um apelo ao governo federal para que acelere as obras de transposição do Rio São Francisco. A situação, segundo o senador, é difícil porque algumas regiões enfrentam uma grave crise hídrica e a chuva que cai é insuficiente para garantir água até o fim das obras da transposição.

Cadê o mandante?
A sociedade ficou satisfeita com o anúncio da polícia de que identificou quatro funcionários contratados da Prefeitura de Cristinápolis suspeitos de incendiar o prédio da Câmara de Vereadores no dia 12 de fevereiro deste ano, data em que os vereadores do município votaram a cassação do prefeito Raimundo Leal (PMDB). Mas frustrada pela não revelação do mandante do incêndio criminoso.

Em Lagarto
Está dando o que falar o fato do vereador Xexéu (PSD) ter pedido licença de 150 dias para tratamento de saúde, quando o regimento interno só permite até 120 dias, e postar fotos e vídeos de uma viagem que fez a São Paulo com eleitores do povoado Genipapo, em um ônibus patrocinado pelo ex-governador Albano Franco. Mesmo esbanjando saúde, os vereadores aprovaram ontem, em primeira discussão, licença para tratamento de saúde por 30 dias.

Veja essa...
Ontem, no programa de George Magalhães, um ouvinte criticou a postura grosseira e incoerente do vereador Agamenon Sobral, o chamou de "Tonho da Lua" e disse que se ele aparecesse em sua porta jogaria ovo. Sem pestanejar, o polêmico parlamentar disse "se jogar um ovo em mim eu dou um murro". Ainda chamou o ouvinte de "babaca", "otário" e disse que com ele não tem meio termo "bateu, levou".

...e essa...
De Agamenon, na tribuna da Câmara, sobre a continuidade da greve dos professores da rede municipal: "Pode ter certeza prefeito João Alves, se vossa excelência não tiver coragem de cortar o ponto dos professores em greve passarei o resto do meu mandato o chamando de covarde".

Curtas
O senador Eduardo Amorim passou mal ontem no voo de Brasília para Aracaju. Mas se recuperou logo e à tarde, como pré-candidato a prefeito, foi ao Santa Maria.

Em Brasília, na quarta-feira, José Carlos Machado acampou no gabinete do senador Ricardo Franco. Retornou ontem a Aracaju no mesmo voo que os senadores Eduardo Amorim, Valadares e Paulo Paim.

O deputado federal Adelson Barreto (PTB) ocupou ontem a tribuna da Câmara para destacar a importância da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016, promovida pela CNBB e Conic. Disse que a temática de 2016 foi inspirada na encíclica ambiental do papa Francisco, intitulada "louvado sejas", sobre o cuidado com o planeta e os seres vivos.

Com o tema "Rediscutindo o Brasil", a XX Conferência da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale) ocorrerá em Aracaju, no período de 01 a 03 de julho, na Universidade Tiradentes (Unit).

Para começar o planejamento do evento, o diretor de comunicação da Assembleia Legislativa, Marcos Aurélio, se reuniu na manhã de ontem com os membros da equipe de comunicação da Unale, na sala da presidência da Alese.