A resposta do ex-prefeito

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O secretário Jorge Carvalho (Educação) apresentou ontem aos servidores a criação do portal de acesso às informações para Digitalização de Documentos e Gestão de Recursos Humanos. Com isso, pasta de arquivo de servidor já era na Seed. Agora é tudo digitali
O secretário Jorge Carvalho (Educação) apresentou ontem aos servidores a criação do portal de acesso às informações para Digitalização de Documentos e Gestão de Recursos Humanos. Com isso, pasta de arquivo de servidor já era na Seed. Agora é tudo digitali

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/12/2015 às 14:37:00

O secretário Jorge Carvalho (Educação) apresentou ontem aos servidores a criação do portal de acesso às informações para Digitalização de Documentos e Gestão de Recursos Humanos. Com isso, pasta de arquivo de servidor já era na Seed. Agora é tudo digitalizado.

A resposta do ex-prefeito

A coluna de ontem publicou declarações do prefeito João Alves Filho (DEM) dizendo que a prefeitura enfrenta dificuldade financeira por conta de uma crise muito grande e que não foram os prefeitos que criaram, mas o governo federal.

Segundo ele, os grandes penalizados são os prefeitos. "O governo federal tem uma filosofia: não quer brigar com os governadores diretamente por terem influência muito grande na eleição dos senadores e deputados federais. A presidente não quer brigar com os governadores, então, o que faz? Esvazia os recursos dos prefeitos", disse.

Enfatizou ainda João Alves que o problema é que estão inviabilizando as prefeituras, retirando os recursos mês a mês. "A arte de administrar está ficando com dificuldade imensa. Não conseguimos a compreensão nem a sensibilidade de Brasília e eu não culpo os ministros. Quando a gente chega, eles já dizem que não pela falta de recursos. As prefeituras estão vivendo o seu momento mais dramático da história republicana", chegou a afirmar.

Ontem o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) questionou essas declarações do seu sucessor. "A crise existe e prefeitos estão enfrentando dificuldades, mas a Prefeitura de Aracaju poderia estar em melhor situação se João Alves não tivesse criado 900 cargos em comissão, que elevou a folha de comissionados de R$ 19 milhões para mais ou menos R$ 68 milhões; não tivesse criado novas secretarias; e desestruturado a Emurb e Emsurb", avalia.

Edvaldo lembra que o prefeito aumentou e muito a receita do município, quando criou a taxa de iluminação pública, concedeu reajuste exorbitante do IPTU e ainda vendeu a folha de pessoal da prefeitura para a Caixa Econômica Federal por R$ 30 milhões. "Ainda ficou com recursos das obras que deixamos e que deixou três anos paralisadas para desvincular da minha imagem", disse.
"João Alves nunca administrou com a cabeça de prefeito, sempre pensou em ser governador. Não se planejou, desestruturou a prefeitura e a crise veio piorar a situação. A responsabilidade é dele. O problema é que ele sempre culpa os outros. Coloca a culpa no antecessor, no governo federal. Foi assim quando foi governador por três mandatos e agora como prefeito", ressalta Nogueira.

Enfatiza que seu sucessor, em três anos de gestão, não colocou em prática nenhum compromisso de campanha. "Disse que melhoraria a saúde em seis meses. Só piorou, está um caos. Ia implantar o BRT, abrir uma nova avenida ligando Socorro a Zona de Expansão e ia fazer estacionamento na área do mercado. As ruas e praças estão esburacadas. No momento que o mundo se reúne em Paris para discutir desenvolvimento sustentável, João Alves coloca asfalto nas praças e deixa as ciclovias todas esburacadas", afirma o ex-prefeito, enfatizando que JAF está "afundando" a cidade.

Para ele, "João Alves conseguiu em três anos fazer a política da terra arrasada com a piora em todas as áreas e greve constante dos garis, levando a população a conviver com o lixo. E o pior é que ele está igual aos livros de Agatha Christie, em que a culpa é sempre do mordomo. O prefeito culpa a crise pelos desmandos".
Como pré-candidato a prefeito de Aracaju em 2016, Edvaldo vai enfrentar João Alves nas urnas. Diz que vai comparar a sua gestão com a dele. O embate político promete.

Ponto de vista 1
O ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), que deseja o apoio do governador Jackson Barreto (PMDB) à sua pré-candidatura a prefeito de Aracaju, avalia que JB está correto quando diz que só vai discutir a sucessão municipal após o carnaval do próximo ano por estar focado nas questões do Estado. "Jackson tem mesmo é que cuidar do governo e só discutir as eleições no ano que vem, na hora certa. Quem tiver pressa quer que ele cometa um erro. Ele tem que cuidar da administração e em março ou abril entrar na batalha", defende.

Ponto de vista 2
Na base aliada do governador Jackson Barreto tem cinco pré-candidatos a prefeito de Aracaju: Valadares Filho (PSB), Zezinho Sobral (PMDB), Luiz Garibalde (PMDB), Ana Lúcia (PT) e o próprio Edvaldo. O ex-prefeito acredita que pode não haver a unidade, mas que um grupo grande vai sair unido.

Disputa 1
Os senadores Eduardo Amorim (PSC) e Ricardo Franco (DEM) estiveram ontem em audiência com o ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues. Trataram da duplicação das BRs 101 e 235.

Disputa 2
Na semana passada, o governador Jackson Barreto esteve com o presidente do Dnit, Valter Casimiro Silveira, em Brasília, reclamando da lentidão das obras de duplicação do trecho sergipano da BR-101, e sugeriu estudos de uma Parceria Pública Privada (PPP) para a duplicação da BR-235, a partir da avenida Osvaldo Aranha (saída de Aracaju), até o acesso ao povoado Terra Dura, em Ribeirópolis, passando por Itabaiana. O investimento previsto é de R$ 300 milhões.
Subvenção 1
Por unanimidade, no final da tarde de ontem o pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cassou o mandato do quinto deputado acusado pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) de destinação e aplicação irregular das verbas de subvenções da Assembleia Legislativa em 2014: Adelson Barreto (PTB). O parlamentar também foi condenado à inelegibilidade por oito anos e pagamento de multa de R$ 106.410,00, mas segue no mandato até julgamento de recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Subvenção 2
Os membros do TRE tiveram o mesmo entendimento da PRE de que Adelson agiu ativamente para montar um esquema de desvio de recursos, repassando a verbas a entidades de fachada ou sem estrutura previamente escolhidas e se apropriando dos recursos em seguida. Ele teria destinado R$ 300 mil das subvenções para a Associação Sociedade Lira Musical, em Capela, e outros R$ 300 mil para a Associação de Moradores José Augusto Barreto de Muribeca, recebendo de volta R$ 200 mil de cada uma das entidades. Ainda de acordo com a PRE, os R$ 100 mil ficaram para serviços e para serem repartidos entre as pessoas envolvidas.

Subvenção 3
Os outros quatro deputados com mandatos cassados e inelegíveis pelo TRE são Augusto Bezerra (DEM), Paulinho da Varzinhas (PTdoB), Capitão Samuel (PSL) e João Daniel (PT). Todos aguardam publicação do acórdão, pelo TRE, para recorrerem junto ao TSE por intermédio dos seus advogados.

Subvenção 4
Também ontem, por unanimidade, o pleno do TRE manteve o mandado do deputado estadual Gilson Andrade (PTC). Os membros do tribunal condenaram o parlamentar a pagar multa de R$ 95 mil por conduta vedada, uma vez que destinou indevidamente recursos das verbas de subvenções sociais para entidades sem fins lucrativos em ano eleitoral, mas sem desvio dos recursos.

Subvenção 5
Ainda ontem o pleno do TRE condenou o ex-deputado estadual Mundinho da Comase (PSL) a pagar multa de R$ 106.410,00, a perda do diploma de suplente e a ficar inelegível por oito anos pelo desvio de recursos das verbas de subvenções sociais. Em julho o ex-parlamentar chegou a ser preso por ter recebido de volta, em sua conta bancária, parte do dinheiro da subvenção que destinou a instituições, inclusive a Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e Infância Antonio Vieira da Silva Neto, que fundou em Itabaianinha e é dirigido pela sua esposa. A essa entidade o então parlamentar destinou R$ 353 mil.

Tribunal de Vista 1
O radialista Gilmar Carvalho disse em seu programa na TV Atalaia que o Tribunal de Contas do Estado poderá ser chamado, agora, de "Tribunal de Vista". É que todo processo polêmico do conselheiro Clóvis Barbosa, que envolve corrupção e improbidade de gestores públicos, os conselheiros-políticos pedem vistas do processo.

Tribunal de Vista 2
Ontem mesmo, na sessão da primeira câmara, Clóvis Barbosa votou pela irregularidade das contas do prefeito de Rosário do Catete, José Laércio Passos Júnior, que além de irregularidades graves cometidas na sua gestão em 2009, foi acusado de efetuar despesas excessivas com shows de bandas, gastando no período de um ano o equivalente a R$ 1,5 milhão. Enquanto isso, segundo Clóvis, no mesmo período gastou a insignificante quantia de R$ 35 mil com o programa de erradicação do trabalho infantil.

Tribunal de Vista 3
"Isto é um absurdo. O Tribunal de contas não pode permitir essa farra do dinheiro público patrocinado por gestores irresponsáveis", disse Clóvis, que votou pela aplicação de multa de R$ 10 mil e remessa do processo ao Ministério Público Estadual para apuração do cometimento de atos ilícitos, criminais ou de improbidade. Na verdade, Clóvis Barbosa seguiu os opinativos do Ministério Público de Contas e da Coordenadoria daquela corte. A conselheira Angélica Guimarães Marinho pediu vista para julgar, quando, quem sabe?

Veja essa...
Informações chegadas à coluna dão conta que teve um grande desentendimento entre um membro do primeiro escalão do governo Jackson Barreto com um do segundo escalão. E que o tempo teria fechado entre os dois, que são do mesmo partido, por questões de ego.

Curtas
Do governador Jackson Barreto, que apresentou na manhã de ontem um plano de combate à Microcefalia e de atendimento aos pacientes acometidos pela doença: "Em Sergipe antecipamos o combate ao mosquito {Aedes aegypti}, mas pedimos a colaboração de todos. Pois agora nosso partido é a saúde do povo."

Será realizada nesta quarta-feira a missa de dois anos do falecimento de Marcelo Déda. A celebração do ato religioso ocorrerá às 19h30, na Igreja Jesus Ressuscitado.

O professor Anderson Gois, diretor técnico do Sergipetec, participa hoje e amanhã, em Brasília, da assembleia-geral e do workshop "Programa de Incubação e Aceleração de Impacto promovidos pela Anprotec. Participará ainda de reuniões na ABIPTI e alguns ministérios com projetos que visam trazer recursos para o Parque Tecnológico de Sergipe.

O advogado do deputado estadual Gilson Andrade, o Fabiano Feitosa, disse ontem que o seu cliente teve sorte em não ter o mandato cassado.

Na pauta de julgamento de hoje do TRE, sobre as subvenções, os processos contra os deputados estaduais Gustinho Ribeiro (PSD), Zezinho Guimarães (PMDB) e Jeferson Andrade (PSD). A PRE pede a cassação do mandato dos três.