Sem estrelas II

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Em audiência ontem com o ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo), o deputado federal Fábio Reis (PMDB) - que estava acompanhado do diretor presidente da Codise, Sérgio Reis - obteve a garantia de que ainda neste mês o turismo de Sergipe será agraciado c
Em audiência ontem com o ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo), o deputado federal Fábio Reis (PMDB) - que estava acompanhado do diretor presidente da Codise, Sérgio Reis - obteve a garantia de que ainda neste mês o turismo de Sergipe será agraciado c

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/10/2015 às 01:23:00

Em audiência ontem com o ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo), o deputado federal Fábio Reis (PMDB) - que estava acompanhado do diretor presidente da Codise, Sérgio Reis - obteve a garantia de que ainda neste mês o turismo de Sergipe será agraciado com recursos de emendas do Orçamento da União de sua autoria. Segundo Fábio, entre os primeiros projetos a serem beneficiados estão a urbanização, reforma e revitalização de praças, construção e implantação de pórtico, urbanização de avenidas e a construção de uma área de lazer na barragem Dionísio Machado, em Lagarto.

Sem estrelas II

A coluna desta quinta-feira dá continuidade ao comentário de ontem, "Sem Estrelas I", de que o Estado de Sergipe tem hoje uma carência de grandes líderes com as mortes prematuras dos petistas Marcelo Déda e José Eduardo Dutra. E pelo fato de já estarem com mais de 70 anos lideranças como Jackson Barreto, Antonio Carlos Valadares, João Alves Filho e Albano Franco, que já se aposentou.
Do lado da oposição o nome competitivo para as eleições de 2018 continua sendo o do prefeito João Alves Filho (DEM), que com bem mais de 70 anos e já meio confuso no seu raciocínio, terá que ser reeleito prefeito de Aracaju em 2016 para ter chance de vitória. Existem ainda os nomes do senador Eduardo Amorim (PSC) e do deputado federal André Moura (PSC), que disputam internamente a liderança do bloco político e rachados não vão para lugar algum.

Na base governista existem hoje seis vagas na chapa majoritária: governador, vice, dois senadores e dois suplentes. Tem pretensões para o Senado: o prefeito Heleno Silva (PRB/Canindé), o deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) e o próprio senador Valadares, que deve querer a reeleição. Para o governo, o nome que se cogita é o de Belivaldo Chagas (PSB) pelo PMDB. O PRB lançou o nome do ex-prefeito Ivan Leite.
Pelo lado da oposição, pode haver rupturas em razão da disputa interna entre Amorim e André. Sem falar na possibilidade de João Alves não querer abrir mão do governo, entendendo que será a sua última cartada para retomar o comando do Estado pela quarta vez.
Hoje o grupo mais forte é o do governador Jackson Barreto, por ter grandes partidos na sua base: PMDB, PSB, PT, PCdoB, PRB, PSD, PP, PDT. Só essas legendas darão ao candidato governista um bom tempo de televisão, pela grande representação no Congresso Nacional.

Também tem nomes como os deputados federais Valadares Filho (PSB), Fábio Mitidieri (PSD), Fábio Reis (PMDB), Jony Marcos (PRB) e João Daniel (PT); os prefeitos Heleno Silva (PRB) e Fábio Henrique (PDT); o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB); a ex-primeira dama Eliane Aquino (PT); o ex-deputado federal Mendonça Prado (PP). Além do vice-governador Belivaldo Chagas e do senador Valadares
O prefeito João Alves perdeu o PSDB e hoje só conta com o DEM, PPS, PROS, PHS e PMN. Perdeu ainda um forte aliado: o ex-genro Mendonça Prado que já deixou o DEM e está no PP.

Amorim conquistou o PSDB e André tem o controle do PSC e os partidos que integram o bloco como o PSC, PTB e PTdoB, e os nanicos PSL, PTC, PEN, entre outros. André já deu várias declarações de que poderá estar em palanque diferente de João Alves. Esse grupo só será forte se unido.
Tanto João Alves quanto Amorim e André Moura têm como aliados os deputados federais Adelson Barreto (PTB) e Laércio Oliveira (SDD). Os três têm pretensões de disputar o governo em 2018. Havendo um racha, com quem os dois parlamentares vão ficar?
Trocando em miúdos, na falta de grandes estrelas e lideranças hoje o grupo político que tiver mais juízo e organização terá a chance maior de fazer o novo governador de Sergipe em 2018.

Desafio
Na próxima semana o vice-prefeito de Aracaju, José Carlos Machado (PSDB), vai começar a trabalhar no convencimento dos novos tucanos a participar da reeleição do prefeito João Alves Filho (DEM) em 2016. Diz que o argumento é estar juntos em torno de um projeto: eleição em 2018 de presidente da República - que considera a mais importante -, de governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

Teoria
Segundo Machado, se PSDB e DEM vão estar aliados em 2018 junto com PPS, PSC e outros partidos é preciso já estarem juntos em 2016 para dar mais certo em 2018. Ressalta que as conversas preliminares com o senador Eduardo Amorim (PSC) levam a esse entendimento e que acredita que vai dar certo a sua permanência no PSDB.
Exemplo
O vice-prefeito disse que está confiante que aquelas lideranças do bloco do senador Eduardo Amorim que são contrárias hoje a reeleição de João Alves, a exemplo dos deputados Capitão Samuel (PSL) e Valmir Monteiro (PSC), voltem atrás nessa posição. Revela que espera convencer o grupo a votar em João Alves, como aconteceu em 2014 quando ia votar em Almeida Lima para o governo e no último momento decidiu apoiar JAF.

Alfinetadas
Causou grande polêmica ontem nas redes sociais e nas rodas políticas as declarações de Machado, em entrevista a Gilmar Carvalho, de que o deputado federal Valadares Filho (PSB) não é um nome para a prefeitura de Aracaju por ser "despreparado e não ter experiência administrativa". E, principalmente, pelas críticas que fez a gestão municipal com relação às obras chegando a criticar a Emurb pela lentidão de várias realizações no município.

Na sua defesa 1
Mesmo em Brasília, Valadares Filho (PSB) reagiu logo às críticas de Machado contra ele. Disse que João e Machado promovem hoje a maior crise administrativa já vivida em Aracaju, seja na saúde, no transporte público, na limpeza urbana e tantos outros serviços, ou mesmo nas finanças onde conseguiram o feito inédito de comprometer o futuro da prefeitura.

Na sua defesa 2
"Hoje o caixa da prefeitura, da forma incompetente como vem sendo administrado, demonstra a falta de sintonia da atual gestão com a modernidade administrativa", afirmou o deputado pré-candidato a prefeito de Aracaju, enfatizando que a "experiência de João e Machado está levando Aracaju para um buraco sem precedentes".

Em defesa do projeto 1
Na Câmara Municipal, o vereador do PSB Bertulino Menezes também reagiu às declarações de Machado. "João perdeu um governo por subestimar os adversários. Todos se lembram de que o desdém de João Alves a pouca idade de Marcelo Déda, taxando-o de menino na tentativa de exaltar a própria experiência durante a pré-campanha, custou-lhe caro e o fez perder o governo em 2006. Parece que já esqueceram o estrago que Marcelo Déda, o menino, com 40 anos, fez à época a um homem de 70".

Em defesa do projeto 2
Disse ainda Bertulino: "Se ter experiência é administrar Aracaju da forma que João faz, deixando a cidade como está, aumentando os impostos, é melhor ser um recém-nascido e chegar com ideias novas, projetos inovadores, propostas diferentes para uma gestão mais atualizada e em consonância com as necessidades do povo, observando o que exigem as novas legislações para a administração pública".

Na Alese 1
Começou a ser discutido ontem, nas comissões temáticas da Assembleia Legislativa, o projeto de lei do Poder Executivo que dispõe da criação do Consórcio do Transporte Coletivo da região Metropolitana. Foi aprovada uma emenda consensuada com o governo, de autoria do deputado estadual Augusto Bezerra (DEM), estabelecendo que os táxis continuem com os municípios e não atrelados ao consórcio.

Na Alese 2
O que causou polêmica foi uma emenda apresentada pelo deputado estadual governista, Zezinho Guimarães (PMDB), propondo que as empresas de transporte que prestam serviço até hoje e se sentirem prejudicadas com as mudanças possam requerer alguma indenização. Na Comissão de Constituição e Justiça, segundo o deputado Augusto Bezerra (DEM), foi arguida a inconstitucionalidade da emenda pelo fato do Poder Executivo não poder apresentar qualquer propositura que gere despesas para o Estado.    
 
Na Alese 3
Hoje o projeto de criação do consórcio volta a ser discutido nas comissões e deve ser votado em plenário. A sua aprovação permitirá que a Prefeitura de Aracaju, através da SMTT, faça a licitação para o sistema de transporte integrado nos municípios de Aracaju, São Cristóvão, Barra dos Coqueiros e Nossa Senhora do Socorro.

Ponto de vista
Do suplente de vereador Anderson Gois, um dos líderes do PRB em Aracaju, ao ser questionado pela coluna sobre quem prefere como candidato a prefeito de Aracaju em 2016: "O agrupamento político liderado pelo governador Jackson Barreto tem boas opções e no momento certo o governador vai se pronunciar. Quanto a minha opção não tenha dúvida, será a do meu partido. Essa discussão passará pelos meus líderes Heleno Silva e Jony Marcos".


Veja essa...
De Valadares Filho com relação às colocações de Machado de que não tem experiência administrativa para governar Aracaju: "Aos experientes João e Machado, comecem a trabalhar. O povo aracajuano não aguenta mais falsas promessas e compromissos não cumpridos. No próximo ano, a democracia vai nos levar a travar esse grande debate da renovação combatendo a antiga política".


Curtas
O ex-prefeito de Capela, Manoel Sukita, transferiu seu domicilio eleitoral para Japaratuba, onde pretende disputar a prefeitura em 2016 pelo PTN.

O deputado estadual Capitão Samuel assumirá o comando do PEN em Sergipe. Para não ter qualquer problema de infidelidade partidária, o parlamentar já foi expulso do PSL e comandará a nova agremiação partidária que já tem comissões municipais formadas em 45 municípios.

Também com receio de perder o mandato por infidelidade partidária, o vereador Agamenon Sobral explicou ontem, na tribuna da Câmara, que já está no PHS após sua expulsão do PP pelo deputado estadual Venâncio Fonseca. Disse que a expulsão foi após discussão com Venâncio sobre a possível mudança de presidente que haveria no PP e que não aceitou.

Ainda não se tem conhecimento sobre a posição oficial do PP de que o comando do partido em Sergipe permanecerá com Venâncio ou passará para Mendonça Prado. Por enquanto, Venâncio segue como presidente.

O prefeito João Alves Filho embarcou ontem à tarde para Brasília, onde participa hoje de reunião da Associação Brasileira de Municípios (ABM).