Mudança na oposição

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O líder do governo na Assembleia Legislativa Francisco Gualberto (PT) e a deputada estadual Ana Lúcia (PT) travaram ontem, no plenário da Assembleia, uma discussão com relação ao Plano Estadual de Educação (PEE). É que Ana Lúcia queria emplacar emendas pr
O líder do governo na Assembleia Legislativa Francisco Gualberto (PT) e a deputada estadual Ana Lúcia (PT) travaram ontem, no plenário da Assembleia, uma discussão com relação ao Plano Estadual de Educação (PEE). É que Ana Lúcia queria emplacar emendas pr

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/09/2015 às 01:59:00

O líder do governo na Assembleia Legislativa Francisco Gualberto (PT) e a deputada estadual Ana Lúcia (PT) travaram ontem, no plenário da Assembleia, uma discussão com relação ao Plano Estadual de Educação (PEE). É que Ana Lúcia queria emplacar emendas propondo a mudança de ideologia de gêneros masculino e feminino nas escolas e Gualberto rejeitou dizendo que isso mudaria o projeto original do Poder Executivo.

Mudança na oposição

Na última conversa que teve com a co-luna, na quarta-feira passada, o vice-prefeito José Carlos Machado (ainda PSDB) reafirmou que até o dia 15 de setembro tomaria uma posição com relação ao seu destino partidário, uma vez que não está muito confortável no ninho tucano após perder o seu comando para os irmãos Amorim.
Reafirmou que existia a possibilidade de ir para o SD ou PPS, mas que estatisticamente havia 50% de chance de sair do PSDB e 50% de chance de ficar. Ressaltou que até o final da primeira quinzena de setembro definiria por não ser aquele político que deixa para a última hora.
Ao ser questionado sobre o almoço que teve em Brasília com o deputado federal Laércio Oliveira (SD), naquela quarta-feira, e se teria fechado entendimento Machado disse que não. Que no almoço, do qual participou o ex-governador Albano Franco (PSDB), foi apenas mais um encontro, que não teve nada demais e que conversa diariamente com Laércio.
Agora o próprio Laércio confirma que Machado vai se filiar ao seu partido. A confirmação de filiação do vice-prefeito de Aracaju ao SD representará mudanças na oposição em Sergipe.
Laércio é aliado do senador Eduardo Amorim (PSC) e já declarou apoio à reeleição do prefeito João Alves Filho (DEM) em 2016, que pode novamente ir com Machado de vice. Até ai não há conflitos, pois dificilmente o senador disputará a Prefeitura de Aracaju no ano que vem, uma vez que o seu projeto político é voltar a disputar o Governo do Estado em 2018.
O problema está em 2018, quando existe a grande possibilidade de João Alves disputar o Governo do Estado independente de ser reeleito ou não. E ai vem a indagação: Laércio, que já declarou sua pretensão de disputar o Senado, levará o SD a apoiar João ou Amorim para o governo?
Machado no Solidariedade é um indício de que o partido estará com João Alves não só em 2016, mas também em 2018 com Laércio sendo um dos candidatos ao Senado. É a incerteza de que o PSDB estará com João Alves no ano que vem que levará o vice-prefeito a deixar o ninho tucano.
Se em 2018 se confirmar um acordo entre Laércio e João Alves a situação não ficará boa para Eduardo Amorim, que deve ir para o PSDB em 2016. A sua dificuldade será ainda maior se o seu aliado, o deputado federal André Moura, que permanecerá no PSC, desejar ser candidato a governador. Os aliados do grupo estão hoje muito próximos de André, que foi quem segurou o barco quando Amorim naufragou na disputa para o governo com Jackson Barreto (PMDB) e ficou à deriva por muito tempo.
Como ainda não é oficial a filiação de Machado ao SD, vamos aguardar...

De volta
O governador Jackson Barreto (PMDB) retorna amanhã a Sergipe após cirurgia no tendão do pé esquerdo no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no último dia 18 de agosto. JB volta ao Estado após 15 dias que se submeteu ao procedimento cirúrgico e passou por todas as revisões médicas.

Continua de licença
Jackson deve passar no mínimo mais 20 dias se reconvalescendo em casa, uma vez que a cirurgia foi no pé, o que requer total repouso por não poder andar. Enquanto isso, o vice Belivaldo Chagas (PSB) continua no comando do Governo do Estado.

Polêmica na Alese
Após muita polêmica, os deputados estaduais aprovaram ontem, em tempo recorde, o projeto original do Plano Estadual de Educação (PEE) do Poder Executivo por 20 x 1.  A polêmica foi com relação à questão do gênero masculino e feminino nas escolas, quando a deputada estadual Ana Lúcia (PT) apresentou emendas propondo alteração na ideologia de gêneros nas unidades escolares.   

No mesmo
Aprovado com algumas emendas, prevaleceu o projeto original do Poder Executivo, que segue a mesma linha do Plano Nacional de Educação de manter o atual gênero masculino e feminino nas escolas. Ou seja, que menino continua sendo chamado de menino e menina de menina ao invés de criança; e cada um utilizará o respectivo banheiro.

Votação recorde
Depois de ser analisado, discutido e votado nas Comissões Temáticas da Assembleia e em plenário, o PEE, que começou a ser debatido depois das 15h, foi aprovado em plenário, em redação final, por volta das 19h30. É que encerrava ontem o prazo dado pelo Governo Federal para que os Estados aprovassem os seus planos de educação.

Já é lei
De prontidão no Palácio, o governador em exercício Belivaldo Chagas (PSB) sancionou ontem mesmo à noite o projeto de lei do PEE e mandou publicar no Diário Oficial do Estado de hoje. Quis evitar que o governo corresse o risco de ficar sem alguns recursos federais para a área da educação.

Manifestação
As galerias da Assembleia estavam lotadas para acompanhamento da votação do PEE. Presentes representantes da Igreja Católica e do segmento evangélico, que se manifestaram contrários à mudança de ideologia do gênero masculino e feminino nas escolas, por defenderem a família tradicional. Assim como representantes de várias entidades que representam alunos (UJS, UNE e UBES) e professores (Sintese), que se manifestaram a favor da mudança de ideologia de gêneros.

 Os cabeças 1
Três dos 11 parlamentares da bancada federal de Sergipe aparecem na lista do DIAP (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como um dos 100 mais influentes parlamentares do Congresso Nacional em 2015. São eles: os deputados federais André Moura (PSC) e Laércio Oliveira (SD), e o senador Antonio Carlos Valadares (PSB), que todos os anos figura na lista como os 100 "cabeças" do Congresso.

Os cabeças 2
Valadares e André Moura figuram entre os 100 cabeças do Congresso Nacional, na categoria "Articulador". Já Laércio Oliveira na categoria "Formulador". A pesquisa inclui apenas os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, correspondente ao período de fevereiro a julho de 2015.

Definição  
Os "Cabeças" do Congresso Nacional são, na definição do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades. Entre os atributos que caracterizam um protagonista do processo legislativo destacam-se a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber  ideias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão.

TV Alese 1
Aconteceu ontem a primeira etapa de licitação na modalidade Pregão Presencial nº 020/2015 para aquisição de um Sistema de Transmissão de Televisão Digital Terrestre para a TV Alese, incluindo: instalação, ativação e treinamento. O processo foi realizado pela manhã, na Comissão Permanente de Licitação (CPL) da Assembleia Legislativa.

TV Alese 2
Nessa quarta-feira acontece a segunda etapa da licitação, a partir das 8h, na CPL, onde as empresas responderão os questionários. Estão na disputa as empresas Screen Service, Linear Hitachi e João Henrique Lourenço ME.

Na pauta 1        
A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara Federal promove debate nesta terça-feira sobre a situação financeira dos Estados e as providências adotadas pelo Governo Federal para apoiar as Unidades da Federação. Foi convidado o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Na pauta 2
O debate foi proposto pelo deputado Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS) com outros deputados. Segundo ele, a situação financeira do País tem sua expressão mais dramática no Rio Grande do Sul, quando o governador Ivo Sartori, que assumiu em janeiro, viu-se na contingência de ter que suspender os pagamentos relativos à dívida renegociada com a União, para honrar pelo menos o salário dos servidores, e, mesmo assim, de forma parcelada. "Em consequência, a União promoveu o bloqueio das contas do Estado, fato que culminou no agravamento do atraso de repasses e afetou a prestação de alguns serviços para a população", destaca.

Veja essa...

A vereadora de Aracaju, Lucimara Passos (PCdoB), ocupou ontem à tarde as galerias da Assembleia Legislativa para se manifestar favorável a mudança de ideologia de gêneros masculino e feminino nas escolas, durante votação do Plano Estadual de Educação (PEE).

Curtas

O relator da Comissão da Reforma Tributária, deputado federal André Moura, esteve reunido, na tarde de ontem, com secretários de Fazenda dos Estados e representantes do Conselho Nacional dos Secretários de Fazenda (CONFAZ), ouvindo sugestões e propostas para constarem do relatório que deverá ser apresentado até o final de setembro.

O PMDB exibe a partir de hoje na televisão oito filmes publicitários de 30 segundos cada um em que as principais lideranças do partido dirão que o país precisa de mudanças. Será mais uma demonstração do distanciamento do partido com o governo Dilma Rousseff.
"O Brasil é um só, e sempre vai ser maior e mais importante do que qualquer governo", diz em um dos anúncios o vice-presidente Michel Temer, que na semana passada se afastou da função de articulador político do governo com os partidos aliados.

Já o ex-ministro Moreira Franco, um dos principais aliados de Temer na cúpula do PMDB, afirma na inserção: "A nação quer mudar, a nação deve mudar, a nação vai mudar". Ele cita como autor da frase o deputado Ulysses Guimarães (1916-1992), um dos fundadores do partido e que esteve na linha de frente das Diretas Já.