Um clima tenso

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ontem, primeiro dia dos trabalhos legislativos após recesso parlamentar, os deputados delatados pelo ex-parlamentar Mundinho da Comase no escândalo das veras de subvenção - Augusto Bezerra, Gilson Andrade e Paulino da Varzinhas - conversaram tranquilament
Ontem, primeiro dia dos trabalhos legislativos após recesso parlamentar, os deputados delatados pelo ex-parlamentar Mundinho da Comase no escândalo das veras de subvenção - Augusto Bezerra, Gilson Andrade e Paulino da Varzinhas - conversaram tranquilament

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/08/2015 às 22:25:00

Ontem, primeiro dia dos trabalhos legislativos após recesso parlamentar, os deputados delatados pelo ex-parlamentar Mundinho da Comase no escândalo das veras de subvenção - Augusto Bezerra, Gilson Andrade e Paulino da Varzinhas - conversaram tranquilamente.

Um clima tenso

Os trabalhos legislativos deste segun-do semestre na Assembleia Legislati-va começaram ontem, mas o clima não é dos melhores por conta dos novos escândalos das verbas de subvenção.

Isso porque ao ser preso na quarta-feira da semana passada, pela polícia civil, o ex-deputado estadual Raimundo Vieira (PSL), o Mundinho da Comase, ao aderir à delação premiada, delatou os deputados estaduais Paulinho da Varzinhas (PTdoB), Gilson Andrade (PTC), Goretti Reis (DEM), Augusto Bezerra (DEM) e Capitão Samuel (PSL), além do ex-deputado estadual Zeca da Silva (PSC).

Com relação aos deputados reeleitos Paulinho da Varzinhas, Gilson Andrade, Goretti Reis e Augusto Bezerra, o ex-deputado Mundinho confessou que apresentou os quatro a Augifranco Vasconcelos, da Associação Ala Jovem, de Lagarto, que receberam de volta 60% das verbas de subvenção que destinaram para a entidade. Contou todo o esquema, que envolvia ainda o irmão de Augifranco, o Ygor Vasconcelos, que foram presos junto com Mundinho.

Augusto Bezerra e Pulinho da Varzinhas já haviam sido citados pelo empresário Nollet Feitosa, que também aderiu à delação premiada, e denunciou os dois no escândalo da subvenção junto à Associação Nova Veneza, no bairro Santa Maria, em Aracaju. Ele, inclusive, em depoimento, exibiu fotos que tirou da secretária de Paulinho recebendo de volta dinheiro da subvenção no próprio gabinete do parlamentar.
Mundinho é o primeiro dos 24 deputados estaduais eleitos na legislatura passada e que constam na lista da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) como acusados de cometerem irregularidades nas verbas de subvenção. Existe uma expectativa de que novas prisões venham a ocorrer nos próximos dias, inclusive de secretárias e de um ex-parlamentar.

Esse escândalo da subvenção vem desmoralizando a Assembleia Legislativa, que na gestão da presidente Angélica Guimarães, hoje conselheira do Tribunal de Contas do Estado, demonstrou não haver qualquer compromisso com o dinheiro público por não fiscalizar a destinação de R$ 1,5 milhão que cada deputado tinha direito anualmente para destinar a entidades públicas de cunho social, totalizando R$ 36 milhões.
Está nas mãos do atual presidente da Alese, Luciano Bispo (PMDB), resgatar essa imagem negativa da Assembleia perante a sociedade. Já deve começar a fazer isso neste segundo semestre...

Lei do silêncio 1
No primeiro dia de trabalho na Assembleia Legislativa, os deputados estaduais silenciaram sobre o escândalo das verbas de subvenção, após a delação premiada do ex-deputado estadual Mundinho da Comase (PSL) e do empresário Nollet Feitosa. Os parlamentares citados - Paulinho da Varzinhas (PTdoB), Augusto Bezerra (DEM), Gilson Andrade (PTC), Goretti Reis (DEM) e Capitão Samuel (PSL) - se recusaram, inclusive, a falar com a imprensa.

Lei do silêncio 2
A deputada Goretti Reis chegou uma hora e meia depois do início da sessão, portanto, às 16h30, assinou o ponto, mandou beijinho para os colegas parlamentares e deixou o plenário após ser procurada pela imprensa para se pronunciar.

Com tranquilidade 1
O único a falar sobre as subvenção foi o presidente da Assembleia, Luciano Bispo (PMDB). Disse que a Alese está tranquila com o fato do que vem sendo denunciado ser apenas suspeita e que espera o pronunciamento da Justiça. "Só será escândalo quando for provado", afirmou, enfatizando que chegou a conversar com o ex-deputado Mundinho da Comase, solto no sábado à noite.

Com tranquilidade 2
De Luciano ao ser questionado sobre a falta de fiscalização na aplicação das verbas de subvenção: "Não posso falar do que se passou no passado. Eu venho do Executivo e não tenho muita tarimba do Legislativo, mas a Assembleia é uma Casa que sempre procurou andar correta. Se há alguns percalços nós esperamos, tranquilos, que a Justiça determine para que a gente possa tomar posições tranquilas".

Com tranquilidade 3
Disse ainda o presidente da Alese, ao ser questionado sobre as possíveis irregularidades na distribuição das subvenções: "Os problemas sempre vão haver aqui e no restante do país, por isso terei tranquilidade para acatar a Justiça e na hora oportuna a Assembleia vai se manifestar. Se houve algo que não devia ser feito, que seja corrigido. A população quer que se corrija o que foi feito de errado. A população quer que as subvenções que foram bem aplicadas, que voltem a ser bem aplicadas no Estado de Sergipe".

Em pauta
Na sessão de ontem do pleno da Assembleia falou-se no parcelamento do salário dos servidores públicos referente a julho. O tema foi abordado pelo deputado Georgeo Passos (PTC), que criticou o governo pelo parcelamento, por entender que a medida prejudica o funcionalismo, que, sequer, teve reajuste salarial.

Sugestão
O Capitão Samuel sugeriu criar uma comissão de deputados para ir ao Japão tratar da Carnalita em Sergipe. A justificativa foi que a Vale pretende vender o projeto para os japoneses. O parlamentar esqueceu que o momento não é propício, pois é de vacas magras, com servidor até recebendo salário parcelado.

Crítica
Por ter seu nome delatado em depoimento junto à polícia civil e ao Ministério Público Estadual, muitos defenderam nas redes sociais que o Capitão Samuel entregasse o cargo de líder da oposição na Assembleia. Acham que não terá moral para cobrar qualquer ação ética do governo ou fazer uma denúncia de corrupção.

Curiosidade
Com o fim do recesso, tem novidades no plenário da Assembleia: foram instalados 41 novos microfones, sendo 32 nas mesas dos parlamentares, sete na Mesa Diretora e dois na tribuna.

Na Câmara
O reinicio dos trabalhos legislativos na Câmara Municipal de Aracaju e no Congresso Nacional acontece hoje. Na Câmara de Vereadores, a discussão maior deve ser em torno do Plano Diretor de Aracaju lá para setembro.

No Congresso
Já na Câmara Federal e no Senado, estará na ordem do dia desta primeira semana de agosto o segundo turno das propostas de emenda à Constituição (PEC) da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos e da reforma política, além do projeto de lei de correção do FGTS pela poupança e quatro prestações de contas da Presidência da República. As sessões ordinárias têm a pauta trancada por dois projetos do Executivo sobre combate ao terrorismo e seu financiamento.

Ponto de vista
Para o senador Eduardo Amorim (PSC) esse segundo semestre será de muito trabalho e lutas. "Mas não é coerente desestimular, pois somos a voz do povo no Congresso e as batalhas para serem vencidas dependem muito destes posicionamentos. Devemos seguir com fé e discernimento, ouvir sempre, estudar possibilidades, levar ideias, lutar sem regras, medidas. O povo espera isso, por isso nos elegeu", enfatizou.

Fora do PSB 1
Os dois vereadores do PSB em Nossa Senhora do Socorro, Vagnerrogeris Lima de Oliveira e José Hilton dos Santos, que foi o mais votado no município, foram convidados pelo Diretório Municipal a deixarem a legenda sem qualquer violação às normas contidas no Código de Ética e no Regimento Interno.

Fora do PSB 2
No ofício de cancelamento da filiação dos dois vereadores, assinado pelo presidente da Executiva Municipal do PSB no último dia 27 de julho, Cleverton Ramos de Santana, é dito que a permanência dos dois parlamentares no quadro de filiado vem ocasionando dificuldades para agregar novos filiados e preparar o partido para as eleições municipais de 2016. Com isso, não restava outra alternativa senão convidá-los a deixar a legenda sem que haja violação as regras contidas na resolução do TSE de nº 22.610/2007.

Destino
O vereador Vagnerrogeris, que lamentou a decisão, disse que até setembro decide ao qual partido irá se filiar. Ressalta que está entre o PSDB e PCdoB e vai acompanhar o ex-prefeito Zé Franco (PDT) nas eleições de 2016. Já o vereador José Hilton dos Santos, vinculado ao prefeito Fábio Henrique (PDT), vai para o PDT.  

Na Executiva
Vagnerrogeris, que viajou ontem à tarde a Brasília com uma comissão de vereadores de Nossa Senhora do Socorro para participar de discussão sobre o Pacto Federativo, disse que vai procurar a Executiva Nacional do PSB para retratar a sua expulsão do partido com mais outro parlamentar.

Candidato
Durante jantar no restaurante Solo, em Aracaju, na quinta-feira da semana passada com vereadores de Socorro, o ex-prefeito Zé Franco informou que é pré-candidato a sucessão municipal em 2016 e não descartou uma composição com o prefeito Fábio Henrique, que indicaria o vice. Revelou que conversou sobre o assunto com o próprio Fábio, por telefone, e contará com o apoio de 10 partidos da base aliada dos irmãos Amorim.  

Boa relação
Zé Franco falou também da boa relação política que tem com o deputado estadual Padre Inaldo (PCdoB), que foi muito bem votado para prefeito nas eleições de 2012. E não descartou uma composição com ele caso seja impedido judicialmente de disputar nova eleição no ano que vem.

Veja essa...
Informações chegadas à coluna dão conta que pode haver prisão de secretárias de deputados e ex-deputados acusados de irregularidades nas verbas de subvenção, pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE).

Curtas
Faltaram a sessão plenária da Assembleia Legislativa no primeiro dia após o recesso parlamentar os deputados Dr. Vanderbal (PSC) e Antonio dos Santos (PSC).

O secretário-geral do PSDB, vice-prefeito José Carlos Machado, vem dando indícios de que não permanecerá no ninho tucano após perder o comando do partido em Sergipe para os irmãos Amorim. Na última sexta-feira o seu genro, Carlos Eloi, se desfiliou do PSDB.
Machado continua conversando com o presidente do PPS em Sergipe, Clóvis Silveira. Esse partido pode ser o seu novo destino político.

Ainda que diga não, o professor Anderson Gois (PRB), suplente de vereador, está empenhado em ser vereador de Aracaju. Tem tido conversas diárias com lideranças de bairro e comunidades.