O Brasil está mudando

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/06/2015 às 01:56:00

Nos últimos anos os brasileiros acompanham dois grandes escândalos no país: o Mensalão e o Petrolão. Os dois esquemas de corrupção desvendados pela Polícia Federal levaram para a cadeia políticos da mais alta patente, como o ex-ministro José Dirceu, o ex-deputado federal e ex-presidente nacional do PT, José Genoino, no caso do Mensalão, e poderosos empresários e diretores da Petrobras no caso do Petrolão.
No total, o Mensalão condenou e prendeu 24 pessoas. Já a Operação Lava-Jato, que investiga o Petrolão, levou para a cadeia cerca de 10 pessoas, dentre os quais o doleiro Alberto Yousse e o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Tudo graças à denúncia inicial de alguém, no caso do Mensalão, a de Roberto Jeferson, presidente nacional do PTB.

O esquema de corrupção, que desviou milhões dos cofres públicos, só chegou onde chegou graças à delação premiada. Essa é a palavra da vez: você conta tudo o que sabe, se beneficia com a liberdade e uma pena mais amena para os crimes que praticou.
Felizmente essa moda se propagou pelo Brasil e chegou a Sergipe. Com a delação premiada, a polícia já descobriu o nome verdadeiro do maior fraudador das verbas de subvenções da Assembleia Legislativa: Nollet Feitosa Vieira, o famoso "Carlinhos", um empresário do ramo de máquinas pesadas e postos de combustíveis.

O Ministério Público e a polícia chegaram a Nollet após as prisões dos representantes da Associação de Moradores e Amigos do Bairro Nova Veneza (Amanova), Clarice Jovelina de Jesus e José Agenilson de Carvalho Oliveira. Essa entidade recebeu mais de R$ 2 milhões de verbas de subvenções destinadas pelos deputados estaduais Paulinho da Varzinhas (PTdoB), Augusto Bezerra (DEM) e a então deputada Susana Azevedo, hoje conselheira do Tribunal de Contas do Estado. Com a delação premiada eles deram nome aos bois: identificaram o "Carlinhos", que era quem operava as subvenções destinadas para a Amanova.
Já preso na última segunda-feira após se apresentar ao Ministério Público, por ser considerado um foragido da polícia e estar sendo cassado, o Nollet também assinou o acordo da delação premiada. Ele é considerado testemunha-chave para a polícia acabar com todas as dúvidas sobre a aplicação das verbas de subvenções, que o Ministério Público comprovou irregularidades na aplicação de mais de R$ 12 milhões.

Agora o jornalista do SBT, Roberto Cabrini, desnuda um esquema fraudulento de licitação da merenda escolar promovido por empresários do ramo de alimentos. Começou pelos municípios de São Cristóvão e Nossa Senhora do Socorro. Ele continua investigando fraude em cerca de 30 municípios de Sergipe, que pode ter a atuação dessa quadrilha criminosa por tirar a merenda de crianças pobres que muitas vezes têm nela a sua única refeição do dia, pelo estado de pobreza em que vivem com sua família em casas de taipas.

Por enquanto, ninguém ainda foi preso. Mas a sociedade espera que seja presa toda a quadrilha que vem praticando esse crime hediondo com crianças necessitadas e que foi mostrada no programa Conexão Repórter, com a ajuda do empresário sergipano Célio França, que ajudou a comprovar a fraude envolvendo os empresários Everaldo da Silva Gama, da Gama Distribuidora; José Valdemir dos Santos, da Jamac; e Edson dos Santos Silva, da Comercial Tropical Distribuidora de Frutas, que é também presidente da Associação dos Usuários da Ceasa.
O povo brasileiro não aguenta mais pagar altos impostos e ver tanta corrupção e impunidade... Felizmente essa nova realidade começou a mudar... Quem for praticar corrupção, querer dinheiro fácil e às custas da miséria do povo que pense duas vezes a partir de agora ...

De volta
O jornalista Roberto Cabrini já está de volta a Sergipe para dar continuidade à investigação do esquema de corrupção da merenda escolar nas escolas da rede pública. Ontem ele esteve na Polícia Federal e depois foi a FM Liberdade, no final da tarde, tentar entrevistar a ex-prefeita Rivanda Batalha, que concedia entrevista aos radialistas Magna Santana e Elir Augusto. No intervalo do programa, os dois acabaram se desentendendo, o que vazou para os ouvintes.

A confusão
Tudo começou porque Rivanda dizia que a escola mostrada na reportagem servindo rosquinha com chocolate para os alunos não era do município, mas do Estado. O Cabrini insistia que era do município e que as imagens, inclusive, foram feitas por professores porque eles foram proibidos de entrar na escola.
Na mira
Segundo a coluna apurou, entre os municípios que estão sendo investigados por Cabrini estão Simão Dias, Ilha das Flores, Brejo Grande, Itaporanga D´Ajuda e Carmópolis.

Fugiu
Informações chegadas à coluna dão conta que o empresário José Valdemir dos Santos, que aparecia na reportagem de Cabrini negociando o percentual a ser pago aos participantes da licitação para perder, deixou o Estado com a família na madrugada de ontem. Foi embora, para um destino ignorado, com receio de ser preso.

Sob proteção
Já o denunciante Célio França permanece em Sergipe e com proteção policial, por temer pela sua vida. O empresário Silvio Santos, dono do SBT, chegou a ligar para Célio o parabenizando pela coragem em denunciar a fraude na merenda escolar. Na oportunidade, colocou a emissora à disposição.

Novo foco
Ontem, em entrevista ao programa de Evenilson Santana, Célio fez novas denúncias, Chegou a vincular o Everaldo Gama ao deputado federal André Moura (PSC).

Queimação
Nas rodas políticas tem quem desqualifique o Célio França. Tem quem diga que só denunciou por ter sido excluído do esquema e teve quem lembrasse que ele já foi processado e condenado por crime de falsidade documental para participar de uma licitação pública.

Repercussão
Ainda repercute nos quatro cantos do Estado a renúncia de Rivanda Batalha ao mandato de prefeita de São Cristóvão, no final da tarde da segunda-feira, portanto, algumas horas depois que foi ao ar o programa apresentado pelo jornalista investigativo Cabrini. Muitos viram o gesto precipitado de Rivanda como se ela tivesse atestando culpa no cartório.

O real motivo
Em conversa com a coluna, Rivanda disse que não "iria sangrar" com os ataques dos seus opositores no município e na imprensa, que não tem "apego" a cargos públicos e deseja preservar sua família. Ainda de acordo com a ex-prefeita, com a sua renúncia, ela agilizará as investigações e, consequentemente, provará sua inocência o mais rápido possível.

Pressa
Revela que como prefeita tem foro privilegiado, o que poderia retardar a apuração do esquema de fraude, que considera criminoso. Ressalta Rivanda que ela não só renunciou ao mandato como se colocou à disposição da Justiça para desbaratar a quadrilha que vem fraudando licitação da merenda escolar no Estado.

Colaborando
Lembra que para facilitar a apuração dos fatos colocou à disposição da Justiça todos os seus dados bancários, fiscais, sigilo telefônico e qualquer medida que possa com a elucidação dos fatos.

Em frente
Com quatro diplomas, Rivanda Farias falou que não terá problema algum de voltar a trabalhar em uma das suas profissões. Recorda que começou a trabalhar como manicure, no Augusto Franco, e que talvez seja a sua sina não concluir um mandato, se referindo ao mandato cassado de vereadora de Aracaju pelos adversários políticos.

Honra
Garante que a sua renúncia foi uma decisão pessoal, que contou com o apoio do marido, o ex-prefeito Armando Batalha, e dos seus pais. "Não tem mandato maior que a minha honra", frisa a ex-prefeita.

Pressão
Informações chegadas à coluna dão conta que o governador Jackson Barreto (PMDB) vem sofrendo pressões para afastar a delegada Danielle Garcia do comando das investigações sobre as verbas de subvenções da Assembleia Legislativa. O motivo seria o trabalho que desenvolve com seriedade, doa em quem doer.

Veja essa...
Da ex-prefeita Rivanda Batalha ao justificar sua decisão de renunciar ao mandato de prefeita: "Não vou sangrar diariamente. Me tornar carniça para urubu".

Curtas
Rivanda Batalha se desfiliou do PSB na mesma segunda-feira e o seu grupo político em São Cristóvão está se desfiliando. Inclusive o seu vice, Jorjão, que assume hoje o comando do município.

Diante das denúncias de Célio França sobre irregularidades na merenda escolar no governo do Estado, a diretora do Departamento de Alimentação Escolar (DAE) pediu o seu afastamento temporário enquanto a administração estadual realizar auditorias nos processos licitatórios.

A Secretaria da Educação oficializou um pedido na Controladoria Geral do Estado para que as auditorias sejam realizadas.

O governador Jackson Barreto não gostou nada de saber das demissões dos aposentados da Emsetur que estão em tratamento oncológico. Determinou a imediata reintegração dos três e que seus planos de saúde fossem preservados.

O presidente da comissão especial da Câmara dos Deputados criada para analisar a proposta de redução da maioridade penal (PEC 171/93), deputado federal André Moura (PSC/SE), em acordo com o relator da comissão, deputado Laerte Bessa (PR/DF), marcou para o dia 10 deste mês a apresentação do parecer a ser discutido e votado pelos seus membros.

O tradicional Arraiá do Povo na orla da Atalaia vai começar a ser montado nesta semana. A programação será lançada na semana que vem. Este ano, o festejo junino do estado vai ser de 18 a 29 de junho. A Secretaria de Estado da Cultura está ultimando os preparativos para o lançamento oficial.