Discussão antecipada

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 30/04/2015 às 00:51:00

Este novo governo de Jackson Bar-reto (PMDB) completa quatro meses no feriado de 1º de maio, mas nas rodas políticas já se discute os prováveis candidatos à sua sucessão em 2018, mesmo havendo primeiro as eleições municipais em 2016.
Os nomes que já começam a ser especulados são o do vice-governador Belivaldo Chagas (PSB), pelo lado governista; Já pela oposição se fala no senador Eduardo Amorim (PSC), no deputado federal André Moura (PSC) e também no do prefeito João Alves Filho (DEM).
Neste cenário, a oposição não terá um candidato de consenso. Tanto André quanto Eduardo, que hoje integram um mesmo bloco político, podem ser candidato. Essa possibilidade existe se o senador vier a se filiar ao PSDB e liderar o partido no Estado, como parece.  

Apesar desses quatro nomes já surgirem para a disputa do governo daqui a 3 anos e 5 meses, a consolidação de candidatura somente acontecerá após as eleições municipais do ano que vem. Tudo dependerá de quem conseguir fazer um maior número de prefeitos e vereadores, pois a questão também é matemática, já que ninguém é candidato de si próprio.
Havendo uma ruptura entre os aliados André Moura e Eduardo Amorim, como parece que pode acontecer no futuro, não agora, haverá uma disputa maior entre os dois para ver quem consegue agregar mais lideranças políticas do bloco. O que atrair mais aliados será o candidato a governador, ficando o outro com a disputa pelo Senado.

João Alves pode se fortalecer se conseguir se reeleger prefeito de Aracaju. Mas como isso só não basta, ele terá que ajudar a eleger um número considerável de prefeitos para se tornar competitivo. Sem falar que vai ter que melhorar sua gestão e cumprir com as promessas de campanha.
Se Belivaldo vier a ser candidato a governador e tiver o apoio de Jackson Barreto, terá meio caminho andado. Mas fará a diferença o número de prefeitos e lideranças políticas que agregar e a situação do Estado no período das eleições.
Trocando em miúdos, as especulações sobre 2018 já começaram, mas as definições de nomes só começarão a se consolidar após 2016. Será um Deus nos acuda pelo resultado favorável nas urnas no pleito do próximo ano ...

Na capital
Estamos a 13 meses das convenções partidárias para as eleições de 2016. Em Aracaju, cinco nomes já são citados como pré-candidato no pleito: o deputado federal Valadares Filho (PSB), o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), a deputada estadual Conceição Vieira (PT), o deputado estadual Capitão Samuel (PSL) e o próprio prefeito João Alves Filho (DEM).

Entendimento
Aliados do governador Jackson Barreto já começam a ver o ex-prefeito Edvaldo Nogueira como o candidato a prefeito de Aracaju em 2016 anti-João. "Edvaldo já vai para a disputa com essa vantagem. O desafio é unir o grupo. Se ele se posicionar dessa forma poderá ter o apoio do governador", acredita.

Teoria
Na avaliação do aliado, seria uma chapa competitiva a ex-primeira dama Eliane Aquino como vice de Edvaldo Nogueira. "Até setembro saberemos se tem interesse em ser candidata em 2016. Até lá ela tem de estar filiada a algum partido político em Sergipe e não deve ser o PT", afirma, enfatizando que o PSD pode ser uma boa opção não só por ter sido o partido que o então governador Marcelo Déda fundou em Sergipe, mas por ser uma legenda forte no Estado e no país.

Novo encontro
O governador Jackson Barreto (PMDB), que retorna hoje de Brasília, participará no próximo dia 8 de maio, em Natal, de reunião dos governadores do Nordeste. Eles vão elaborar um documento com reivindicações ao Governo Federal.

Pleito anterior
Na última reunião, realizada em Brasília, no dia 25 de março, os governadores nordestinos elaboraram uma pauta de reivindicação que foi entregue logo depois a presidente Dilma Rousseff. Eles pleitearam uma definição de uma nova fonte de financiamento e crédito, a continuidade dos investimentos federais, apoio à rede pública de saúde, combate à estiagem, a aprovação pelo Senado das regras para o comércio eletrônico e a inclusão do Nordeste como laboratório para o Sistema Único de Segurança Pública.

Sem restrição
O líder do PSC na Câmara, deputado federal André Moura (PSC), em conversa com a coluna disse que se o seu partido não tiver candidato próprio a prefeito de Aracaju em 2016 ele não verá problema algum em apoiar Valadares Filho ou Edvaldo Nogueira. "Podemos apoiar qualquer um dos dois, desde que não seja o candidato do governador Jackson Barreto", disse.

Sem compromisso
De André, ao ser questionado se não apoiará a reeleição do prefeito João Alves, de quem foi aliado na última eleição municipal: "Não temos compromisso com ninguém em 2016, nem com João Alves. Apoiamos ele em 2012, mas não discutimos 2016".

Só em junho
A Câmara itinerante não virá a Sergipe no mês de maio para discutir os temas: reforma política, reforma tributária e redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. É que André Moura - que participa com o presidente Eduardo Cunha (PMDB/RJ) das sessões especiais nos Estados, já que é presidente e relator das comissões especiais da redução da maioridade penal e do pacto federativo respectivamente - está com problema de agenda porque viajará ao exterior no próximo mês.

Agenda
O parlamentar sergipano, como sub-relator da CPI da Petrobras, vai em maio aos Estados Unidos investigar a compra da refinaria de Petróleo de Pasadena, no Texas. Também irá ao Canadá, em Quebec, por ser referência em pacto federativo, já que é relator dessa comissão especial. Também irá a Londres.

Em debate
No dia 8 de maio o relator especial da comissão da reforma política, deputado federal Marcelo Castro (PMDB/PI), deve vir a Sergipe debater o projeto com os partidos políticos. Será às 9h, no plenário da Assembleia Legislativa.

Ponto de vista 1
Do vice-prefeito de Aracaju, José Carlos Machado (PSDB), sobre a reforma política: "O Brasil precisa de uma moderna e eficaz reforma política. Hoje não tem ideologia, amizade nem consideração na política. Só prevalecem as conveniências e o dinheiro".

Ponto de vista 2
Para Machado, a única coisa concreta da reforma política é o aumento exorbitante do fundo partidário. "Estive na Câmara dos Deputados por oito anos. Não acredito no fim das coligações proporcionais nem de eleição unificada a cada quatro anos".

Ponto de vista 3
O tucano acha um absurdo que partidos como o PT, PMDB e PSDB, que são os maiores do país, venham a receber em torno de R$ 116 milhões cada um de fundo partidário. "Os menores partidos vão receber um mínimo de R$ 400 mil em 2015. É por isso que a cada ano se cria um partido novo", revela.  
Só para lembrar
A presidente Dilma Rousseff sancionou o Orçamento de 2015 e não vetou o dispositivo adicionado pelos parlamentares que aumentou de R$ 289 milhões para R$ 867,5 milhões o montante dos repasses da União para os partidos políticos.

Julgamento 1
Acontece nesta quinta-feira, em sessão do pleno do Tribunal de Contas do Estado, o julgamento sobre a aposentadoria compulsória do conselheiro afastado Flávio Conceição. A medida é uma determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que anulou a aposentadoria aprovada no final de 2007, em razão da participação de um auditor na sessão de votação, ocupando exatamente a vaga de Flávio.

Julgamento 2
A sessão será presidida pelo corregedor do TCE, conselheiro Ulices Andrade. É que o presidente Carlos Pinna se julgou impedido de participar da sessão e o vice-presidente Clóvis Barbosa é impedido por ter ocupado a vaga de Flávio. Existe a expectativa da conselheira Susana Azevedo também se julgar impedida. O relator continua sendo o conselheiro Luiz Augusto Ribeiro e um auditor será convocado para votar na vaga de Pinna.

Registro
Flávio Conceição foi preso na Operação Navalha, em abril de 2007, durante apuração de desvio de recursos das obras da adutora do São Francisco executadas no terceiro governo João Alves Filho.

Veja essa...
Informações chegadas à coluna dão conta que tem deputados estaduais da base aliada dos irmãos Amorim pressionando pela saída do ex-deputado, o radialista Gilmar Carvalho, da Ilha FM. E que Edivan Amorim tem se negado a fazer isso por acreditar que Gilmar iria para a FM Sergipe e faria oposição a eles e aos aliados.

Curtas
O governador Jackson Barreto esteve ontem no Ministério de Minas e Energia para tratar de três assuntos de grande importância para Sergipe. O primeiro diz respeito aos entraves burocráticos para a realização do leilão das termoelétricas que incluem três unidades em Sergipe. Os investimentos são da ordem de US$ 1,4 bilhão (R$ 4 bilhões) e vai gerar 3 mil empregos na construção das unidades.

O segundo tema foi relacionado à implantação do Projeto Carnalita. O governador cobrou o apoio do ministério junto à Vale para que ela coloque o projeto em avaliação no conselho da empresa. Por fim, o governador tratou dos investimentos da Petrobrás em Sergipe. A informação é que depois do Pré-Sal, Sergipe tem toda prioridade nos investimentos da empresa.

Do prefeito da Barra dos Coqueiros, Airton Martins (PMDB), ao ser questionado pela coluna como vê a pré-candidatura do ex-deputado estadual Gilmar Carvalho (SD) a prefeito do seu município em 2016: "Com tranquilidade. Estou trabalhando muito e estou sendo bem avaliado pelo povo".

Dezenas de prefeitos participaram ontem do Fórum Estadual de Gestores Municipais para o Fomento das Atividades de Desenvolvimento Econômico de Sergipe, promovido pelo Governo de Sergipe, através da Codise. O evento foi aberto pelo presidente da Companhia, Sérgio Reis, que proferiu palestra sobre "Codise e as perspectivas para o Desenvolvimento Econômico de Sergipe".

O relator do processo das verbas de subvenções da Assembleia Legislativa, juiz federal Fernando Stefaniu, espera ouvir todas as testemunhas de acusação até o dia 14 de maio, no total de 104. Depois começará a ouvir as testemunhas de defesa.