Novo fogo amigo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/03/2015 às 00:03:00

O Partido dos Trabalhadores vive hoje a sua pior crise, tanto a nível nacional quanto local, desde a sua fundação em 1980. O PT, que está no Planalto desde 2002 com a vitória nas urnas de Lula, depois do escândalo do Mensalão, enfrenta o Petrolão, a rejeição da presidente Dilma Rousseff em 62% do povo brasileiro, 2 milhões de pessoas indo às ruas protestar contra a corrupção e uma boa parte dela pedindo o seu impeachment, a volta da inflação, e aumento abusivo da gasolina e da energia elétrica.

Sem falar no fato da presidente Dilma estar refém hoje do Congresso Nacional, em razão do maior partido da base aliada fazer oposição ao governo, com Eduardo Cunha na presidência da Câmara Federal e Renan Calheiros na presidência do Senado. Em menos de três meses de governo, Dilma já trocou de ministro da Educação e de líder do governo na Câmara para não desagradar aos "aliados".
Em Sergipe, a morte do governador Marcelo Déda enfraqueceu, e muito, o PT. Sem um grande líder o partido está completamente rachado, o que já levou nas eleições de 2014 a redução da sua bancada em 50% tanto na Assembleia Legislativa quanto na Câmara dos Deputados. Quando Déda morreu, no final de 2013, a legenda tinha dois federais e quatro estaduais. Agora só tem um deputado federal e dois deputados estaduais, sendo um deles convivendo com a ameaça de perder o mandato para o ex-prefeito Sukita (PMDB).

A permanecer o racha no PT, como parece, o partido em Sergipe pode definhar ainda mais nas eleições municipais. Em Aracaju, a legenda tem três vereadores e pode ver esse número reduzir significativamente após abertura das urnas em outubro de 2016.
Não existe hoje qualquer aceno de unidade do partido e de querer uma boa relação com o governo Jackson Barreto (PMDB). A Articulação de Esquerda de Sergipe - tendência interna do PT - em seu 2º Congresso Estadual realizado no último sábado, na CUT, aprovou uma Resolução Política com críticas ao governo de Jackson como fez há anos com o governo do seu partido comandado por Déda, que resultou na polêmica cartilha divulgada com exclusividade pela coluna e com ampla repercussão negativa pelo "fogo amigo".
A Articulação de Esquerda, liderada no Estado pela deputada estadual Ana Lúcia e o vereador Iran Barbosa, colocou na resolução críticas a reforma administrativa feita por JB no final do ano passado e ao fato dele ter recebido o apoio de parte expressiva da oposição, lembrando que ele se referia a essa oposição de "união dos poderosos contra o povo".

Ressalta a resolução: "Cabe ao PT, que tem em sua base política e social um conjunto de segmentos do funcionalismo público, reafirmar o seu compromisso com os movimentos sindicais e sociais e empenhar esforços no sentido de garantir que os trabalhadores não sejam penalizados. Essa tensão, inclusive, muito provavelmente será uma marca dos quatro anos de Jackson, afinal nunca é demais lembrar que há também na base do governo interesses e setores conservadores da política sergipana".
A resolução ainda critica o secretariado de Jackson, como foi feito com o do próprio governador Déda em 2007, na famosa cartilha. Afirma a resolução: "A composição do secretariado do novo Governo de Sergipe não deixa dúvidas de que a "coalizão mudancista", responsável pelas vitórias de Marcelo Déda para a Prefeitura, em 2000 e 2004, e para o Governo do Estado, em 2006 e 2010, caminha a passos firmes para transformar-se num campo político "centrista", hegemonizado por um núcleo peemedebista, com sólidas extensões à direita e cada vez menos sustentação pela esquerda".  

Prossegue: "Em Sergipe, o esgotamento dessa estratégia se verifica de forma resumida no seguinte quadro: depois de duas gestões de Déda à frente da PMA e após a gestão de Edvaldo Nogueira (PCdoB), a prefeitura da capital é governada pelo DEM, que tem impulsionado a arrecadação via aumento extorsivo do IPTU, da criação da Taxa de Iluminação Pública, do aumento da tarifa do transporte público e da venda de terrenos públicos para a especulação imobiliária, além de promover o sucateamento da máquina publica para justificar a privatização dos serviços públicos essenciais. Para dar mais evidencia ao esgotamento da "estratégia", hoje no comando do governo estadual, temos o PMDB com o PSB (que não fez campanha para Dilma) ocupando a vice, iniciando uma gestão, no mínimo, contraditória".

Diz ainda a resolução: "Por isso, não temos dúvida de que o papel do PT de Sergipe é ser o polo de esquerda do Governo Jackson Barreto, o que exige para o conjunto do partido o urgente debate programático sobre a coalizão da qual fazemos parte, sobre os rumos políticos do Governo Estadual e sobre o fortalecimento do próprio PT".
É com críticas aos aliados que a deputada estadual Ana Lúcia tem a pretensão de ser candidata à Prefeitura de Aracaju em 2016. Existe alguma dúvida que o maior adversário do PT é o próprio PT?

Plano de ação 1
Na Resolução Política, a Articulação de Esquerda estabeleceu como tática eleitoral em 2016 e 2018, mediante o cenário político que traçou: aprofundar a análise dos principais problemas sociais em Sergipe; divulgar e promover o debate sobre os efeitos das políticas sociais do Governo Federal; impulsionar o processo de organização da militância nos movimentos sociais, sindicais, culturais e de juventude; manter uma campanha de filiações ao PT; incidir ativamente na vida partidária e na política de reflexão e de formação do PT, bem como no debate de ideias junto à intelectualidade de esquerda.

Plano de ação 2
Faz parte ainda da tática defendida pela tendência realizar um estudo sobre a realidade política nos demais 74 municípios de Sergipe, visando sair fortalecido do processo eleitoral e com capacidade objetiva de retomar o governo do Estado em 2018, através da construção de uma atualização do programa democrático e popular que vem governando Sergipe há quase uma década.

Expectativa
No próximo dia 18 de abril, quando acontece o Seminário de Tática Eleitoral da Articulação de Esquerda, os líderes da tendência esperam aprofundar e concluir o debate relativo à tática para o crescimento do PT no Executivo e no Legislativo.

Encontro 1
Existe hoje uma grande possibilidade do PRB vir a apoiar o nome do ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) para prefeito de Aracaju em 2016. Na última sexta-feira, o líder do PRB, o prefeito Heleno Silva (Canindé do São Francisco), conversou com Edvaldo.

Encontro 2
Segundo Heleno, a conversa foi boa. "Edvaldo falou da sua pretensão de ser candidato e que gostaria do apoio do PRB. Disse que o nosso partido se fortaleceu muito e que teve uma boa relação quando prefeito", declarou o prefeito, enfatizando que o PRB "olha com bons olhos" o nome de Edvaldo Nogueira pela sua capacidade de gestão.

O foco
De acordo com Heleno o objetivo do seu partido é se fortalecer nas eleições municipais de 2016, apoiando e elegendo um maior número de prefeitos em Sergipe. Isso o cacifará ainda mais para pleitear uma vaga na chapa majoritária.

Defesa
O líder da oposição na Assembleia Legislativa, Capitão Samuel (PSL), continua defendendo que o seu bloco político tenha candidato próprio a prefeito de Aracaju em 2016. Cita como nomes competitivos o do senador Eduardo Amorim (PSC), do deputado federal André Moura (PSC) e o dele próprio.

Com Dilma
O governador Jackson Barreto (PMDB) viaja amanhã a Brasília para reunião da presidente Dilma Rousseff (PT) com os governadores do Nordeste. Na pauta, pedir apoio aos governadores nas medidas de combate à corrupção e ao ajuste fiscal, assim como pedir o apoio para reagir ao desgaste político com a reprovação de sua popularidade em 62%.

Velho Chico 1
A comissão externa da Câmara dos Deputados que fiscaliza a transposição do Rio São Francisco vai ouvir hoje o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, e diversos representantes da Codevasf. Criada em fevereiro deste ano, a comissão vai acompanhar todos os procedimentos referentes às obras de integração do Velho Chico com as bacias hidrográficas do nordeste setentrional. As obras estão estimadas em R$ 8,2 bilhões e, de acordo com o Ministério da Integração Nacional, tudo estará pronto até o segundo semestre de 2016.

Velho Chico 2
Na semana passada, o coordenador da comissão, deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), reclamou de falta de sintonia nas ações dos governos federal, estaduais e municipais para a integração da bacia hidrográfica. Ele disse, por exemplo, que vários prefeitos de áreas beneficiadas com a transposição desconhecem alguns programas em curso e sequer elaboraram os planos municipais de saneamento.

Veja essa...
O ex-prefeito de Lagarto, Cabo Zé, e o radialista Prefeitinho foram às vias de fato ontem de manhã na rodoviária do município. Pela constante troca de farpas entre os dois, inclusive com o profissional de imprensa dizendo que queria ser procurado por Cabo Zé, o ex-gestor municipal foi ao seu encontro com a chave do carro na mão e dizendo: "Seu moleque safado, não tenho medo de você, o que digo no rádio, digo pessoalmente". Se não fosse a turma do deixa disso, o estrago seria grande. Prefeitinho disse que pedirá proteção ao secretário da SSP, Mendonça Prado.

Curtas
O governador Jackson Barreto recebeu ontem no Palácio o deputado federal Valadares Filho (PSB) e os deputados estaduais Zezinho Guimarães (PMDB) e Goretti Reis (DEM).

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) acompanhou ontem a prefeita de Carmópolis, Esmeralda (PT), na visita a Agência Nacional de Petróleo (ANP), no Rio de Janeiro, para discutir os royalties do município.

Proposta de Fábio Mitidieri na Câmara dos Deputados estabelece que gastos com o tratamento de animais domésticos possam ser deduzidos nas Declarações de Imposto de Renda.
Nenhum senador de Sergipe assinou ofício que foi protocolado no Palácio do Planalto por nove senadores pedindo o veto da presidente Dilma Rousseff ao aumento de quase 200% do valor destinado ao fundo partidário no Orçamento Geral da União para 2015.

Em vários programas de esportes do Milton Neves, na rádio Bandeirantes, estão sendo exibidos alguns pronunciamentos hilários do vereador Valdo, na Câmara Municipal de Itabaiana, por conta do seu fraco português. As pérolas ditas pelo vereador viraram até vinheta de abertura do programa.