A boataria de Sukita

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/02/2015 às 01:45:00

Ontem o assunto mais comentado nas rodas políticas foi que o ex-prefeito Manoel Sukita, que concorreu sub-judice a eleição de deputado estadual em 2014, iria assumir mandato de deputado estadual no lugar de Francisco Gualberto (PT). É que Gualberto foi o último deputado eleito da coligação.

Isso porque o próprio Sukita, em entrevista concedida ao programa de Gilmar Carvalho, declarou que tinha conquistado uma vitória na guerra para conseguir assumir o mandato de deputado estadual, uma vez que o seu ex-partido, o PSB, teria apresentado um documento "falsificado" junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) informando que ele teria desistido da sua candidatura no pleito passado.
Revelou o polêmico ex-prefeito que no final da tarde da terça-feira o procurador geral eleitoral tinha dado parecer favorável a ele dizendo que não era correto não respeitar a sua vontade de ser candidato e que a ação do PSB em Sergipe é inconstitucional. Ainda segundo Sukita, no seu parecer o procurador pede que os seus votos sejam descongelados e o registro de candidatura deferido.

Um advogado que viu pela internet o processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disse à coluna que é descabida essa informação prestada pelo próprio Sukita. Segundo ele, no dia 23 de fevereiro passado, às 19h21, o processo foi devolvido do Ministério Público Eleitoral (MPE) para o TSE. No dia 24 de fevereiro, às 18h21, foi feita uma observação de que o processo tinha sido devolvido sem manifestação do MPE e somente ontem, às 11h20, ele havia chegado ao gabinete do ministro relator João Otávio de Noronha. Segundo o advogado, que encaminhou para a coluna a cópia da tramitação do processo de impugnação do registro de candidatura de Sukita e substituição de candidato, essa é a prova de que não existe parecer algum a favor do ex-prefeito. "Mesmo que existisse um parecer de um procurador favorável a Sukita assumir o mandato ele teria que ser julgado pelo TSE, pois um procurador não tem competência para isso, apenas juízes, desembargadores e ministros, através de liminar", esclarece.

Trocando em miúdos, Francisco Gualberto continuará com o seu mandato de deputado estadual e sendo líder do governo na Assembleia Legislativa até que seja julgado o mérito da questão, que pode ser ou não a favor de Sukita.
Quem tem a ganhar com isso é o parlamento e o povo sergipano, pois se o Brasil fosse um país sério Sukita era para continuar preso pelos crimes de improbidade administrativa, formação de quadrilha e desvio de recursos públicos da Prefeitura de Capela.

Subvenções
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) começará a ouvir, em abril, os deputados estaduais acusados de irregularidades nas verbas de subvenções sociais, pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), assim como as testemunhas, que são os dirigentes de entidades que receberam os recursos. Segundo o juiz federal relator do processo, Fernando Escrivani, todos os envolvidos serão confrontados.

Na Folha 1
A Folha de São Paulo de ontem saiu com editorial mostrando que diante da necessidade de reequilibrar as contas públicas, governos de todas as naturezas seguem a mesma tendência de elevar tributos e congelar investimentos. Ressalta que um item dos gastos dos Estados, contudo, poderia sofrer cortes expressivos sem que o contribuinte se sentisse prejudicado pela medida: a dotação orçamentária das Assembleias Legislativas, que cresceram em praticamente todas as unidades federativas, segundo o jornal "Valor Econômico". Segundo o editorial, dignos de nota só Mato Grosso do Sul e Sergipe, que conseguiram diminuir em 11% e 13% os desembolsos dirigidos a suas Assembleias.

Na Folha 2
Mostra ainda o editorial que considerando o custo por deputado, as populações do Tocantins e de Goiás viram seus parlamentares se tornarem 117% e 100% mais caros, sendo o maior crescimento registrado. E que num grupo intermediário estão São Paulo, Santa Catarina, Amazonas e Amapá, com expansão em torno de 35%. Em termos absolutos, os deputados do Distrito Federal são os mais caros do país. Tomando por base o orçamento estipulado para 2015, cada político da Câmara Legislativa custa nada menos que R$ 19 milhões. No Estado de São Paulo, cada representante dos paulistas na Assembleia consome R$ 10,5 milhões, ao passo que os parlamentares do Acre, os mais econômicos, exigem R$ 5,5 milhões.
 
Defesa
O ex-líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual Venâncio Fonseca (PP), vem declarando à imprensa e amigos que vai lutar pela continuidade da aliança entre o prefeito João Alves Filho (DEM) e o senador Eduardo Amorim (PSC). Acha que unidos os dois se fortalecem mais.
Na segunda
Foi adiada de hoje para a próxima segunda-feira a reunião dos deputados estaduais e federais da oposição, liderada por Eduardo Amorim, visando discutir questões políticas e a sucessão municipal. Será durante almoço, provavelmente em um hotel da orla.

Funasa 1
Deu ontem na coluna de Claudio Humberto, publicada em vários jornais do país: "A indefinição de Dilma sobre o segundo escalão acirra os ânimos entre PT e o principal aliado PMDB na briga por cargos, sobretudo aqueles de orçamentos obesos. É o caso da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), há anos controlada pelo PMDB e agora pretendida pelo PT para presentear um petista sem mandato, Rogério Carvalho, presidente do PT sergipano. Para o PMDB, é questão de honra manter o cargo".

Funasa 2
Em outras notas, Claudio Humberto diz que a Funasa é comandada por Antonio Henrique Pires, indicado pelo vice-presidente Michel Temer e pelo ex-deputado Henrique Eduardo Alves. E que a ideia do PT é dar "instrumentos" a Rogério Carvalho para que ele possa disputar a Prefeitura de Aracaju em 2016.

O nome do PT
Em Sergipe, Rogério já declarou várias vezes que não tem pretensões políticas em 2016, mas em 2018. A candidata do PT a prefeito de Aracaju caminha para ser a deputada estadual Ana Lúcia.

No tempo certo
Ontem, em conversa com a coluna, a deputada disse que ainda é muito cedo para discutir candidatura majoritária em 2016 e que isso só ocorrerá durante congresso do partido, que definirá por candidatura própria ou um campo de aliança. Todavia, antecipa que só não vai querer participar de uma disputa dentro do seu partido e que pode até ser candidata, desde que seja por consenso.

Ponto de vista 1
De acordo com Ana Lúcia, o momento é de ir para as ruas fortalecer o PT e evitar um desgaste. "Os conservadores e a direita cresceram no país, sem a esquerda perceber o volume, apenas o volume de comunicação. As forças conservadoras tentam desestabilizar o governo. Tem um golpe em andamento para destituí-lo. Já teve uma reação ontem (anteontem) com Lula e a partir de agora virá a reação das forças progressistas".

Ponto de vista 2
Revela a petista, que não se pode aceitar a desestabilização de uma empresa como a Petrobras. Como também que as duas medidas provisórias da presidente Dilma Rousseff, que afetam o pagamento de pensão por morte, seguro-desemprego, seguro para pescador artesanal, auxílio-doença e abono salarial. "Vai ter de rever tudo isso", avalia.

Esclarecimento 1
A respeito do que foi publicado ontem na coluna, a deputada Ana Lúcia esclarece que trabalhou ativamente pela reeleição do governador Jackson Barreto, assim como atuou com força nas campanhas majoritárias de Rogério Carvalho e da presidenta Dilma Rousseff. "Pedi voto para o nosso governador nas carreatas, nos comícios e em todas as localidades de Sergipe onde fiz campanha e ainda nos programas eleitorais de rádio e televisão, do primeiro ao último dia de campanha", esclareceu.

Esclarecimento 2
Ana Lúcia informou ainda que todas as peças publicitárias produzidas com recursos pagos pelo seu comitê financeiro levavam o nome e o símbolo da campanha de JB e dos outros candidatos majoritários da sua coligação, como manda a legislação. "Se foi distribuído algum material sem o nome de Jackson, não saiu do meu comitê eleitoral. O único erro do nosso comitê foi ter liberado uma mensagem via SMS para diversos números de celular, na semana das eleições, na qual realmente não constava o nome de Jackson. Porém, quando tomei conhecimento, de imediato providenciei a correção. Portanto, não há nenhuma razão para que o governador ou assessores plantem na imprensa que não fiz campanha para Jackson", declarou, enfatizando que a sociedade comprova seu comportamento e seu grau de responsabilidade política diante dos seus compromissos assumidos.

Ato público
Na próxima terça-feira os servidores da Cohidro, Emgetis e Emsetur, empresas públicas que devem ser extintas, farão uma grande manifestação na Assembleia preocupados com a possibilidade de perderem o emprego. Querem o apoio dos deputados e uma conversa com o presidente da Assembleia, Luciano Bispo (PMDB), e o líder do governo Francisco Gualberto (PT) visando uma solução.

Curtas
O deputado Pastor Antônio (PSC) convidou ontem, em plenário, os recém-chegados a Casa para participarem da reunião da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (UNALE), que irá acontecer no dia 23 do março, em Brasília. Disse que serão tratados temas como o Novo Pacto Federativo e a Reforma Política.

Na audiência que teve anteontem com o ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues, o deputado federal Fábio Mitieideri (PSD) recebeu a notícia de que no mês de agosto acontecerá a inauguração da nova ponte que liga os estados de Sergipe e Alagoas entre os municípios de Propriá e Porto Real de Colégio.
O ministro garantiu também a execução da obra da duplicação do trecho que liga Estância a Cristinápolis, o que deixará completamente duplicada a BR 101 em Sergipe entre Própria a Cristinápolis. O processo licitatório para esse trecho terá inicio em abril.
 
O coordenador de comunicação do senador Eduardo Amorim, Chiquinho Ferreira, e equipe, visitaram ontem à tarde o Jornal do Dia. Apresentaram o novo plano de comunicação do parlamentar.

Segundo Chiquinho, eles começaram ontem a visita a veículos de comunicação. Disse que em todas às quartas-feiras visitará uma rádio, jornal e um portal, tanto na capital quanto no interior.