A disputa na Assembleia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/11/2014 às 00:05:00

Como é do conhecimento de todos na base aliada do governador Jackson Barreto (PMDB) da próxima legislatura cinco aliados pleiteiam a presidência da Assembleia Legislativa: os deputados estaduais reeleitos Zezinho Guimarães (PMDB), Garibalde Mendonça (PMDB), Gustinho Ribeiro (PSD) e Jeferson Andrade (PSD). Além do deputado estadual reeleito Luciano Bispo (PMDB).

A chapa que tem o apoio do governador Jackson Barreto (PMDB) para a formação da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa para o biênio 2015/2016 é formada pelo deputado estadual eleito Luciano Bispo (PMDB) para presidente e o deputado estadual reeleito Jeferson Andrade (PSD) para primeiro secretário.
Luciano é hoje a pessoa de extrema confiança do governador, além de ser amigo e companheiro de longas datas. Sem falar que é adversário do senador Eduardo Amorim (PSC) pelas questões políticas em Itabaiana, não havendo qualquer chance de influência dos irmãos Amorim na Assembleia Legislativa a partir de fevereiro de 2015.

Existe ainda o fato do PMDB avaliar que por ter elegido a maior bancada na Assembleia, com quatro deputados estaduais, cabe ao partido fazer o presidente da Casa por ser essa a tradição.
O único problema de Jackson com o nome de Luciano é que alguns aliados estão questionando que o novo presidente da Assembleia seja do PMDB. Acham que como o PMDB já tem o governo, deveria permitir democraticamente que outro partido aliado viesse a presidir o Poder Legislativo.   

Uma liderança política chegou a dizer a JB que ele tinha que fazer como o ex-governador Marcelo Déda, que no seu primeiro governo permitiu que o presidente da Assembleia fosse de outra legenda e não do seu partido, o PT, que tinha elegido a maior bancada de deputado estadual. Lembrou que o presidente foi o então deputado estadual do PDT, Ulices Andrade.
O então governador Déda não teve nenhum problema no seu primeiro governo com Ulices Andrade na presidência da AL, por quatro anos. Tanto é que conseguiu fazer Ulices conselheiro do Tribunal de Contas do Estado.

Sem ter tido qualquer desavença com o presidente da Assembleia no seu primeiro governo, Déda não viu problema de no seu segundo governo, mesmo o PT novamente tendo elegido a maior bancada, em aceitar que o presidente fosse de outro partido da base aliada.
Só que com Angélica Guimarães, do PSC, no comando da Assembleia foi a pior experiência política de Déda que está bem viva na cabeça de cada sergipano com as manobras para eleição do Tribunal de Contas e dificuldades em aprovação de projetos do Poder Executivo de interesse do Estado e dos sergipanos, a exemplo do Proinveste e do Proredes.
Escaldado pelo que esse governo passou, do qual foi vice, nas mãos de uma presidente de Assembleia comandada pelos irmãos Amorim, talvez Jackson Barreto não queira correr o risco de ficar refém do Poder Legislativo como Déda ficou, o que até agravou o seu estado de saúde.
Vamos aguardar o desenrolar dos acontecimentos ...

O candidato 1
Dos cinco candidatos a presidente da Assembleia Legislativa, Garibalde Mendonça (PMDB) é quem tem mais tempo como parlamentar. Na próxima legislatura ele chegará ao quinto mandato como deputado estadual reeleito com 31.401 votos. Nesses 16 anos como deputado foi duas vezes presidente da Comissão de Obras Públicas da Assembleia, duas vezes presidente da Comissão de Constituição e Justiça, duas vezes presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar e uma vez vice-presidente da Comissão de Saúde.  Neste ano de 2014 ele apresentou 14 indicações, 13 projetos de lei, dois projetos de resolução e dois requerimentos.

O candidato 2
Jeferson Andrade (PSD), eleito em 5 de outubro com 33.898 votos, está concluindo o seu primeiro mandato como deputado estadual. Nesses quatro anos foi vice-presidente da Comissão de Administração e Serviço Público e vice-presidente da Comissão de Economia, Finanças e Orçamento. Neste ano apresentou seis indicações, quatro projetos de lei e 16 requerimentos.

O candidato 3
Gustinho Ribeiro também está em seu primeiro mandato como deputado estadual e vai para o segundo após conquistar nas urnas 34.863 votos. Neste primeiro mandato presidiu a Comissão de Redação Final, foi vice-presidente da Comissão de Segurança Pública, de Legislação Participativa, e Agricultura e Meio Ambiente. Chegou a ser líder do governo Marcelo Déda por cerca de um ano. Apresentou este ano quatro indicações, dois projetos de lei e cinco resoluções.       

O candidato 4
A exemplo de Gustinho e Jeferson, o deputado Zezinho Guimarães (PMDB), reeleito com 34.140 votos, está concluindo o seu primeiro mandato. Ele chegou a presidir a Comissão de Agricultura e Meio Ambiente. Em 2014 apresentou um projeto de lei, dois projetos de resolução e dois requerimentos.

O candidato 5
Já Luciano Bispo, que deve ser o novo presidente da Assembleia, foi deputado estadual de 1995 a 1999 e na eleição deste ano obteve nas urnas 29.763 votos. Luciano foi prefeito quatro vezes de Itabaiana.

Com chance
Desses cinco candidatos, os que ainda estão no páreo são Garibalde e Jeferson, e o provável novo presidente Luciano Bispo. Zezinho já disse que não vai impor o seu nome e que o seu candidato será o do governador e Gustinho dificilmente será por questões regionais, uma vez que seus adversários em Lagarto são os Reis, que estão no PMDB.    

No Distrito Federal
O governador Jackson Barreto participou ontem, em Brasília, do Seminário "Pacto pela Boa Governança: Um Retrato do Brasil", promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e que contou com a participação de governadores.  O evento teve como finalidade apresentar um documento produzido pelos tribunais de contas estaduais contendo diagnóstico sobre importantes temas do País, entre eles educação, saúde, previdência social, segurança pública e infraestrutura.

Fim do prazo
Termina amanhã o prazo para inscrição de chapas para eleição no Sebrae. A chapa, que tem a simpatia do governo, será registrada nessa quarta com os nomes: Gilson Figueiredo (presidente do Conselho Deliberativo), Emanoel Sobral (diretor superintendente), Marcelo Barreto (diretor técnico) e Eduardo Prado Júnior (diretor administrativo financeiro).

O pleito
A eleição acontecerá no próximo dia 25 de novembro, quando os 15 membros do conselho estarão elegendo o seu presidente e a diretoria para os próximos quatro anos.

Otimista
O deputado estadual e conselheiro do Sebrae, Zezinho Guimarães, está confiante na vitória da chapa que apoia. Zezinho, que já foi presidente da entidade, revela que a chapa é democrática por contemplar representantes do comércio (Gilson Figueiredo), da indústria (Eduardo Prado Jr), da agricultura (Emanoel Sobral) e do governo (Marcelo Barreto).

Veja essa...
Do deputado estadual reeleito pela oposição Gilson Andrade (PTC) ao ser questionado se pode compor a base governista na Assembleia: "Não vou ficar com o governo de Sergipe nem de bandinha, nem de ladinho, nem no colinho". Que nível!

... e essa ...
Do deputado federal Márcio Macêdo (PT) durante reunião no último sábado com lideranças para fazer uma avaliação da disputa eleitoral deste ano e agradecer o apoio recebido no pleito: "Jackson derrotou as elites, que se uniram todas contra ele. O povo fez de Jackson um cipó caboclo e deu uma surra no poder econômico das elites sergipanas".

Curtas
A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça acatou entendimento do Ministério Público Estadual e decidiu pelo fim da Associação Sergipana de Blocos de Trios (ASBT) por indício de desvio de finalidade associativa, após julgar recurso da entidade.

Com essa decisão, continuam bloqueados os bens da ASBT, que tem fins lucrativos. A associação é quem realizava o Pré-Caju, que após 23 anos não será realizado em 2015 por conta desses problemas e falta de patrocínio.    

De Márcio Macêdo sobre as manifestações de rua contra o PT, acontecendo a última no sábado passado: "O que existe hoje no país é uma tentativa de golpe, porque as elites não aceitam mais quatro anos de um governo de esquerda e popular. Eu já vi vitória subir à cabeça, mas a derrota subir à cabeça é a primeira vez. E é isso que está ocorrendo com Aécio Neves".

Candidatos, partidos políticos e coligações que disputaram a eleição no segundo turno têm até o dia 25 de novembro para retirar das ruas todas as propagandas eleitorais. É o que determina a Resolução 23.404/2014, do TSE, que em seu artigo 88 estabelece que a propaganda eleitoral deve ser removida até 30 dias após a eleição.