O mal vence o bem

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/11/2014 às 00:24:00

No início da década de 90, mais precisamente em 1991, o empresário Fabiano Oliveira organizou a festa "Suas Férias Com Amor", com a banda Asa de Águia animando um bloco que saiu da Orla da Atalaia até a antiga Casa de Espetáculos Augustu´s, que ficava no fundo do Shopping Riomar.

Diante da boa iniciativa, que teve respaldo popular, mais dois empresários se somaram ao projeto e em 1992 criaram mais dois blocos: Brilho, com a banda Brilho, do empresário Macedo Brilho, e Papagaiu´s, com a banda Cheiro de Amor, do empresário Djalmir Brandão. Surgiu ai o Pré-Caju.
Com a criação do Pré-Caju, mediante a participação dos três blocos: Com Amor, Brilho e Papagaiu´s, em 1993 a folia foi incluída oficialmente no calendário turístico e cultural da cidade de Aracaju, através da Lei Municipal nº 1985 de 21/05/1993.
No ano seguinte, em 1994, a festa cresceu ainda mais com a criação de novos blocos: Bora Bora, Dino, Gula, Fascinação e Tricolor da Vila. A folia passou de três dias para uma semana, com abertura em um domingo com bloco para crianças, e recomeço na quarta-feira com término no domingo seguinte com o desfile dos blocos oficiais e alternativos.

No ano de 1996, houve o reconhecimento da Associação Sergipana de Blocos e Trios (ASBT) como de entidade gestora e organizadora do Pré-Caju, através da Lei Municipal nº 2.465 de 25/11/1996.
Com o crescimento da festa ficou inviável a sua realização na Orla de Aracaju por questões de segurança da população, em razão da praia ser uma área aberta. Com isso, foi mudado o circuito do Pré-Caju, passando a ser a saída dos blocos da Praça da Bandeira até o Augustu´s.
Com o passar dos anos se criou o temor de que a passagem dos blocos e trios pela ponte do shopping poderia levar a rachaduras na sua estrutura e, por conseguinte, o desabamento da ponte provocando um grande acidente. Assim sendo, já na década de 90, o percurso foi mudado novamente para a Avenida Beira Mar, com saída do Iate Clube e término na Sementeira.

Com a transformação da Av. Beira Mar em prédios de luxo, a festa começou a ficar ameaçada. Muitos burgueses emergentes começaram a se sentir incomodados com vendedores ambulantes em suas portas, com o cheiro da urina e o transtorno no trânsito. Mesmo seus filhos adorando o Pré-Caju parte dessa elite começou a trabalhar contra. Foram várias ações protocoladas junto ao Ministério Público.

Tanto fizeram que por dois anos conseguiram tirar o Pré-Caju da Beira Mar, que acabou sendo realizado no início deste século na área do Mercado Central. Fracasso total pela falta de estrutura e fedentina no local.
Depois de muita celeuma, o Pré-Caju retorna a Beira Mar. Somando a insatisfação de alguns burgueses, começou o protesto de invejosos com o sucesso da festa que se tornou grandiosidade com a participação de vários blocos e atrações nacionais não só do axé, mas do frevo, do forró, do pagode, da música sertaneja, do samba e do pop-rock. Sem falar do elevado número de turistas.

Até representantes de fórum criado com objetivo político eleitoreiro começaram a se pronunciar publicamente contra a prévia carnavalesca. Teve ainda aqueles que denunciaram aplicação de recursos públicos, do Ministério do Turismo, para festa privada. É sabido que a festa é realizada por empresário, mas em espaço aberto com todos tendo acesso. Só era pago o acesso dentro do bloco e dos camarotes, como acontece no carnaval da Bahia.

Com isso, novas ações foram dada entrada no Ministério Público contra o Pré-Caju, que sempre teve a participação, inclusive, de muitos foliões políticos, como o ex-governador Marcelo Déda e o governador Jackson Barreto. Mesmo com tanta polêmica a cada final de ano, a folia permaneceu na Beira Mar, mas reduziu de tamanho. Passou de quarta-feira a domingo, para quinta-feira a domingo e já este ano, quando chegou a 23ª edição, a festa aconteceu apenas na sexta, sábado e domingo.    

Em janeiro de 2015 a prévia carnavalesca não acontecerá, exatamente quando completaria 24 anos. Não só pela crise financeira, mas por esse conjunto de ações contra o Pré-Caju, que, inclusive, levou a não liberação de recursos do Ministério do Turismo, bloqueio das contas da ASBT e determinação para devolução de recursos.
Com tanta gente trabalhando contra, o Pré-Caju corre o risco de não voltar em 2016. O que é lamentável, pois a festa já fazia parte do calendário de verão de Sergipe e correspondia ao carnaval dos sergipanos com a participação de milhares de turistas. Sem falar que gera emprego e renda para Estado e município de Aracaju.

Oficialização
Ontem a ASBT saiu com nota à imprensa informando o cancelamento do Pré-Caju 2015. Antes, o idealizador da prévia carnavalesca Fabiano Oliveira se reuniu com o governador Jackson Barreto (PMDB) e o prefeito João Alves Filho (DEM), que garantiram apenas a manutenção do apoio logístico, mediante a dificuldade financeira. Com apenas o patrocínio de uma marca de cerveja e apoio logístico do poder público para segurança, saúde, limpeza e trânsito, ficou inviável a festa no próximo ano, orçada em mais de R$ 5 milhões.
Sem ressentimento
Fabiano Oliveira disse que entende a dificuldade financeira enfrentada pelo Governo de Sergipe e Prefeitura de Aracaju, por ser a mesma enfrentada pelos demais Estados e municípios no país, assim como pela iniciativa privada. Com isso, pediu aos foliões e simpatizantes do Pré-Caju que não responsabilizem o governador e o prefeito pela decisão da ASBT em não realizar a festa em 2015.

Acusação
Ontem, no programa de Gilmar Carvalho o ex-deputado federal João Fontes acusou o governador Jackson Barreto de ter dito que iria prejudicar Aracaju. Na defesa do governo, o secretário de Comunicação Sales Neto entrou no ar e desafiou Fontes a apresentar qualquer declaração do governador neste sentido.

Defesa
"Não existe essa declaração do governador. Ao contrário, todas suas falas são declarações de amor a Aracaju. Jackson Barreto vai trabalhar muito por Aracaju, como sempre fez. Prejudicar jamais", assegurou Sales Neto.

Se inteirando
O governador vem reservando os finais de tarde para se reunir com membros da comissão técnica que fez o estudo para reforma administrativa, para que possa tomar as medidas cabíveis para economizar mensalmente R$ 30 milhões e, consequentemente, poder manter a máquina administrativa funcionando e efetuando o pagamento do servidor público dentro do mês. Na proposta, consta a fusão de secretarias, exoneração de cargos comissionados, redução de gastos com combustível, veículo e celular.

Último dia
Termina hoje o prazo para que os 27 candidatos nas eleições de 5 de outubro que tiveram pedido de impugnação de suas contas de campanha eleitoral possam fazer a retificação junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal, através da Procuradoria Regional Eleitoral em Sergipe, após detectar na maioria das  prestações de contas desses candidatos a omissão de despesas com carros de som, de criação e manutenção de site e propaganda, de funcionamento de comitê eleitoral e de material de campanha, como adesivo, santinho e bandeira.

Na lista 1
Entre os 27 candidatos que tiveram pedido de impugnação de prestação de contas da campanha está os candidatos a governador Jackson Barreto e Eduardo Amorim, os candidatos ao Senado Maria do Carmo (DEM) e Rogério Carvalho (PT). Além dos oito deputados federais eleitos: Adelson Barreto (PTB), Antonio Carlos Valadares (PSB), Fábio Mitidieri (PSD), Fábio Reis (PMDB), Jony Marcos (PRB), João Daniel (PT), Mendonça Prado (DEM) e Laércio Oliveira (SD).

Na lista 2
Doze dos 24 deputados estaduais também terão que retificar suas contas de campanha junto ao TRE, mediante pedido de impugnação do MPF. São eles: Antonio dos Santos (PSC), Augusto Bezerra (DEM), Capitão Samuel (PSL), Francisco Gualberto (PT), Goretti Reis (DEM), Gustinho Ribeiro (PSD), Garibalde Mendonça (PMDB), Georgeo Passos (PTC), Luciano Pimentel (PSB), Jairo de Glória (PRB) e Silvia Fontes (PDT).

Sem dormir
Segundo um parlamentar tem muitos colegas de "cabeça quente" para regularizar as contas com comprovação de documentos e, consequentemente, poderem ser diplomados no dia 18 de dezembro, em solenidade no Teatro Tobias Barreto. Isso porque o pleno do TRE pode acatar pedido de impugnação feito pelo MPF.

Voltar para o batente
A ex-primeira-dama do Estado e ex-secretária de Inclusão Social, Eliane Aquino, que está em casa desde o fim do segundo turno das eleições, disse à coluna que não vê a hora de voltar a trabalhar. Revela que nesse momento está quieta em casa esperando as férias dos filhos para ir a Brasília rever a família e retornar em dezembro para ver o que vai fazer da vida.

Indefinição
Eliane não quis falar sobre a possibilidade de assumir um cargo em Brasília, já que foi coordenadora da campanha de Dilma Rousseff no Estado, ou em Sergipe, onde trabalhou muito pela reeleição de Jackson Barreto. "Qualquer decisão tem de ser muito bem pensada. Não posso só pensar em mim, tem os meus filhos que não tem um pai", frisou.

Pela tangente
Da viúva de Marcelo Déda ao ser questionada sobre a possibilidade de ter um futuro na política: "Não vou fugir da responsabilidade que Deus colocar no caminho, mas com paz. Não quero confusão. Quero paz para o Estado e o PT".

Veja essa...
De Fabiano Oliveira, sobre a não realização do Pré-Caju em 2015 e a possibilidade que retome em 2016 não na Av. Beira Mar, mas em uma área privada de 100 mil metros quadrados oferecida por um empresário da construção civil: "Uma minoria que sempre foi contra a festa conseguiu o intento".

Curtas
O PT em Sergipe convida a sua militância e a sociedade em geral a participar hoje das atividades em favor da implantação de uma constituinte do sistema político brasileiro. Na programação, a realização de plenária no Sindicato dos Bancários, às 8h, e ato público no Calçadão da João Pessoa, em frente ao Itaú, às 15h.

O deputado estadual eleito Luciano Bispo (PMDB) caminha para ser o novo presidente da Assembleia Legislativa, com o apoio do governador Jackson Barreto.

O primeiro secretário da Mesa Diretora deve ser o deputado estadual reeleito Jeferson Andrade, cujo partido, o PSD, tem a segunda maior bancada na Assembleia com três deputados.

Jeferson pleiteia a presidência da Assembleia, assim como o colega de partido Gustinho Ribeiro. Mas ele deve ficar mesmo com a primeira secretaria.