Risco de desespero

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/11/2014 às 00:28:00

A partir de 2015 a situação política do bloco liderado pelos irmãos Amorim não será das melhores. Sem ter conquistado o Governo do Estado, como acreditava, o grupo perderá a Assembleia Legislativa, deixará de ter maioria na Casa e contará na Câmara dos Deputados com apenas dois deputados federais: Laércio Oliveira (SD) e Adelson Barreto (PTB).
Perder a Assembleia - que tem um orçamento mensal em torno de R$ 12 milhões, maior que muitas prefeituras do interior - e não conquistar o governo quer dizer que o grupo ficará mais quatro anos na oposição e a pão e água. Ao final de 2018 o grupo completará 12 anos na oposição, o que representa muita dificuldade para um grupo que sempre foi governo.

Tanto isso é verdade que vários deputados demonstraram preocupação e desespero com o fato da campanha do então candidato a governador Eduardo Amorim (PSC) não estar deslanchando a menos de 30 dias das eleições. Foram várias as sugestões para tentar reverter o quadro e depoimentos de angústia, do tipo que ninguém suportaria passar mais quatro anos na oposição.   
O desespero era tão grande com relação à possibilidade concreta de Eduardo Amorim perder as eleições, que não faltou reza e apelo para que todos dobrassem o empenho pró-Amorim. Tudo foi em vão com o resultado das urnas, mas real as dificuldades que o bloco terá pela frente.

Diante deste novo cenário e da necessidade de sobrevivência política do grupo, que não terá mais a Assembleia para nomear cabos eleitorais e outros privilégios, existe recomendação dos irmãos Amorim para que a nova bancada, formada por oito deputados da base, fique à vontade para compor com o governador eleito Jackson Barreto (PMDB). E, claro, em 2018, retornar ao aquário dos peixinhos para uma nova eleição.
Com a liberação, o que não falta é deputado da oposição mandando recado para o governo e já aparecendo com um discurso light. Jackson Barreto já disse que pode conversar com todos, menos com o deputado Capitão Samuel (PSL) pela forma como fez política contra ele na campanha eleitoral.
Como Jackson não é nenhum menino, vai saber, e bem, dosar os aliados de primeira hora com os "novos" aliados. Até porque ele já disse isso à coluna recentemente...

Novos apoios
Uma liderança política muito próxima do governador Jackson Barreto (PMDB) informou à coluna que JB já se entendeu com três deputados estaduais de oposição: Paulinho da Varzinhas (PTdoB), Georgeo Passos (PTC) e Gilson Andrade (PTC). Ele já conta com o apoio da deputada estadual Goreti Reis (DEM), reeleita pela oposição, mas que já votou nele para o governo.

Maioria folgada
Com isso, Jackson, que elegeu uma bancada estadual de 13 deputados estaduais, já contabiliza para 2015 uma bancada de 17 deputados estaduais. Isso representa mais de dois terços do parlamento.

Disputa caseira
A mesma liderança informou ainda à coluna que está havendo uma briga interna de poder entre peemedebistas. Segundo ela, o secretário João Gama (Planejamento) quer assumir a Casa Civil; o secretário Zezinho Sobral (Casa Civil) deseja ser secretário da Educação; e o deputado federal Almeida Lima almeja a Secretaria da Saúde, como a coluna já divulgou no mês passado.

Proposta 1
Como membro da comissão técnica que estuda a reforma administrativa do Estado, Almeida Lima vem defendendo a fusão das três fundações em uma só: Fundação de Saúde Parreiras Hortas, Fundação Hospitalar de Saúde e Fundação Estadual de Saúde. Com isso, deseja implantar comando único, com centralização nas discussões. Tem quem seja contra.

Proposta 2
Um dos membros da comissão técnica vem defendendo a extinção da Secretaria de Estado da Comunicação e que seja criada uma diretoria de Comunicação, vinculada à Casa Civil. Tem opinião contrária a isso.

Proposta 3
Existe ainda na comissão de reforma administrativa uma proposta da Secretaria das Mulheres passar a ser vinculada à Secretaria de Inclusão Social. Ou seja, haveria a fusão da Secretaria das Mulheres com a Seids.

Meio caminho andado
O deputado estadual eleito Luciano Bispo (PMDB) já tem o apoio da maioria dos deputados estaduais da base aliada e dos quatro da oposição que estão praticamente fechados com o governo. Assim sendo, Luciano, que tem a confiança total do governador Jackson Barreto, deverá mesmo ser o novo presidente da Assembleia para o biênio 2015/2016. O primeiro secretário deverá ser o deputado reeleito Jeferson Andrade (PSD), que é um dos que pleiteia a presidência da Casa.      

Tranquilo
O deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB), que também pleiteia a presidência do Poder Legislativo, disse que deu uma parada nos entendimentos em busca de apoio. Revela que aguarda uma posição do governador "para não sair atirando".

Defesa
Zezinho defende que o novo presidente da Assembleia seja do PMDB, por ter sido o partido que elegeu a maior bancada na Casa. Ressalta que isso é uma tradição no parlamento.

Para sanção
O senador Antonio Carlos Valadares (PSB) comemora o fato de o Senado ter aprovado, por unanimidade, o projeto que possibilita a redução dos encargos pagos por estados e municípios sobre suas dívidas com a União. "Defendi a aprovação do projeto, que segue para a sanção presidencial, pois essa medida vem ao encontro dos interesses de muitos estados, que estão atolados em dívidas e sem nenhuma condição de um equilíbrio fiscal eficiente", afirmou o parlamentar.

Benefício
Revela que com a aprovação do projeto Sergipe e demais Estados terão um abatimento significativo no montante de suas dívidas com a União. "Sergipe, por exemplo, tinha uma dívida de R$ 396.147.774, em 1997; em virtude da perversa taxa de juros somada à indexação, pagou, até dezembro de 2013, R$ 957.995.511; e ainda deve R$ 854.836.998,67. Com este abatimento, passa a dever R$ 156.542.394,75. É uma ajuda inestimável para as finanças do meu Estado que se encontra em sérias dificuldades", ressalta o senador.

Satisfação
"Pela primeira vez em nossa história teve que parcelar a folha de pagamentos do funcionalismo. Essa é a tradução das dificuldades de receita que Sergipe está vivenciando, por isso que eu voto aplaudindo essa medida provisória, que irá amenizar as finanças de Sergipe e de todos os Estados e Municípios do Brasil que devem à União, criando alternativas concretas para obras de infraestrutura e evitar crises com servidores públicos por eventuais atrasos no pagamento de seus salários", finaliza o senador.

Sebrae 1
Como ocorre a cada quatro anos, é sempre disputada a eleição do Sebrae para a Diretoria Executiva (Diretor Superintendente, Diretor Técnico e Diretor Administrativo e Financeiro) e Conselho Deliberativo. A eleição acontecerá no próximo dia 25 de novembro.

Sebrae 2
O Governo tem cinco dos 15 assentos no Conselho Deliberativo, sendo três indicados pelo governo estadual e dois pelo governo federal. São os membros desse conselho que elegem o seu presidente e os três diretores executivos.

Sebrae 3
Fala-se em uma disputa política entre o deputado estadual reeleito Zezinho Sobral e o deputado federal reeleito Laércio Oliveira (SD) na eleição do Sebrae. À coluna Zezinho disse que não há disputa alguma e tudo o que ele quer é que o Sebrae de Sergipe deixe de ser o último do Brasil. Lembra que quando comandou a instituição a deixou, no inicio de 2009, como a primeira do país.   

Sebrae 4
"Querem transformar o Sebrae em instrumento de disputa política e eu não quero. Quando governador, Marcelo Déda foi levado a tomar posições que se arrependeu depois. Depois afastou todos os puxa-sacos do governo", disse Zezinho.

Palestra
A Procuradoria-Geral do Estado de Sergipe (PGE/SE), através do Centro de Estudos, promoverá, no dia 21 de novembro, às 9h, palestras sobre temática: "Métodos Adequados para Resolução de Conflitos  Envolvendo a Fazenda Pública". O evento, destinado a operadores de Direito, ocorrerá no auditório do hotel Quality.

Veja essa...
De uma liderança da base aliada do governo: "Os veteranos peemedebistas e ex-prefeitos de Aracaju João Augusto Gama e Almeida Lima não conseguem se entender ainda por conta da prefeitura da capital. Um quer a aposentadoria do outro e vice-versa".

Curtas
O prefeito João Alves Filho (DEM) almoçou ontem, na AABB, com os atletas que participam dos Jogos Universitários Brasileiros (Jubs).

Do ex-senador e ex-presidente do PT, Zé Eduardo Dutra, no twitter: "O duro é ver gente que não tem a mínima ideia de quem foi Simon Bolívar ficar falando em bolivarianismo".

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou ontem, em caráter terminativo, o projeto do senador Valadares que obriga restaurantes, lanchonetes e similares a disponibilizar aos clientes as informações nutricionais dos pratos servidos no estabelecimento. A matéria segue, agora, para a Câmara dos Deputados.
De volta ao Senado para os últimos meses de atividade do atual mandato, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM) ratificou o seu agradecimento aos 448.102 sergipanos que manifestaram nas urnas confiança no seu trabalho e que "acreditaram que poderemos fazer ainda mais por Sergipe no Senado Federal, a partir de 2015".

Ela disse que continuará, como sempre, trabalhando do seu jeito, disposta a atender a todas as demandas que chegarem ao seu gabinete, além de cuidar para que Sergipe tenha acesso a investimentos e recursos importantes, de modo que os gestores possam atender aos anseios da população.