Reza e desespero

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/09/2014 às 00:18:00

rittaoliveira@jornaldodiase.com.br  -  rittaoliveira@uol.com.br

Desde o início da campanha eleitoral deste ano, em 6 de julho, o que se viu foi a unidade e o engajamento do bloco político liderado pelos irmãos Amorim em torno da candidatura de Eduardo Amorim (PSC) ao governo. Assim como a organização na estrutura da campanha.

Estava claro que o grupo político tinha um projeto de poder e que o objetivo maior era eleger Eduardo Amorim governador. Era visível, a olho nu, que os proporcionais estavam fazendo a sua campanha, mas sem esquecer de trabalhar pelo candidato majoritário da coligação.
Essas ações eram o grande diferencial com relação à campanha do maior adversário de Eduardo Amorim, o governador Jackson Barreto (PMDB). Jackson começou a campanha com muita disputa interna, ciumeira de candidatos proporcionais e desorganização. Mas parecia o famoso ditado popular "cada um por si e Deus por todos".

Diante deste cenário, somado ao fato de Amorim ter conseguido fazer a maior coligação e ter atraído para a base aliada os ex-governadores João Alves Filho (DEM) e Albano Franco (PSDB), a campanha começou com o clima de já ganhou no bloco dos Amorim. Principalmente porque a candidata ao Senado era Maria do Carmo Alves (DEM), tendo como primeiro suplente o empresário Ricardo Franco (PTB), filho de Albano, e o empresário Augusto Franco Neto, filho do empresário Walter Franco, sendo o vice de Eduardo.
Essa ampla aliança representaria, ainda, a simpatia das maiores emissoras de televisão: a TV Sergipe, filiada à Globo, e a TV Atalaia, filiada à Record. Principalmente a TV Atalaia, que sempre combateu os irmãos Amorim com duros editoriais exibidos no Jornal do Estado 2ª edição.

Surpreendentemente menos de uma semana após a divulgação da pesquisa do Ibope, pela TV Sergipe, que deu uma vitória a Jackson Barreto com 41% das intenções de votos contra 33% de Eduardo Amorim, sem falar na queda da rejeição de JB e no aumento da rejeição a EA, aconteceu uma reunião da coligação de Amorim para avaliação da campanha. A avaliação acabou sendo um reconhecimento de que Jackson  pode ganhar as eleições no primeiro turno faltando 24 dias para o pleito.

Isso porque na reunião foi cobrado o engajamento de todos os candidatos proporcionais e aliados na campanha de Eduardo Amorim, a realização de um programa eleitoral mais agressivo e com críticas a Jackson Barreto. Foi dito por deputados estaduais aliados que a eleição não está ganha, que era preciso se empenhar mais na campanha majoritária, que era necessário injeção de ânimo, mostrar a população que Paulo Roberto, ex-diretor da Petrobras, foi o garoto propaganda do governo de Sergipe. Assim como que seria um crime permitir que JB seja reeleito, que era preciso ter um governador amigo e era necessário lutar pela vitória de Amorim.

Com o teor da reunião divulgado ontem por setores da imprensa, o que mais se comentou nas rodas políticas foi que a reunião mostrou desespero dos irmãos Amorim e aliados, quando chegou a existir um clima de já ganhou. Principalmente pela reza do "Pai Nosso" sugerida pelo deputado estadual Gilmar Carvalho (SD), que chegou a pedir pela vitória de Eduardo Amorim e Maria do Carmo.
A expectativa agora é como será a campanha de Amorim e o programa eleitoral nessa reta final e se haverá tempo para reverter o quadro adverso ...

Estratégia mais agressiva
Foram várias as sugestões dadas na reunião realizada anteontem entre o candidato a governador Eduardo Amorim (PSC), os demais candidatos majoritários e proporcionais da coligação e lideranças políticas que apóiam sua candidatura. Entre elas: desfazer o que vem sendo dito no programa eleitoral de Barreto de que "eles são do bem" e que Amorim e aliados "são do mal", mostrar que a saúde está um caos, que as fundações de saúde são uma máfia, que o estado está falido e vivendo de empréstimos.

Ao pé da letra
Ontem, no facebook, o filho do ex-prefeito Armando Batalha, o Armando Batalha Júnior, já seguiu a risca o que foi sugerido na reunião da coligação de Eduardo Amorim. Postou: "É a luta do bem contra o mal. Esse mal representado por aquele que destruiu a saúde em nosso Estado, proliferou a maldade e arrogância. O único voto que dei ao PT foi ao eterno Marcelo Déda, homem acima de sigla partidária. A sorte está lançada, está na hora de defenestrar esses prestadores de desserviço a população. Fora PT e seus serviçais!"
Alfinetadas
O próprio Eduardo Amorim atacou diretamente Jackson Barreto, durante entrevista que concedeu ontem à noite ao Jornal do Estado 2ª Edição. Questionado como via as críticas ao seu irmão Edivan Amorim, o candidato disse que via com tristeza por se tratar de informações requentadas, uma vez que o seu irmão tinha sido absolvido pela Corte de Justiça e havia um candidato que foi cassado por improbidade administrativa e corrupção. Disse que ia conduzir a campanha com tranquilidade e que essas acusações contra o irmão não os atingia.

O foco
Ao ser questionado se a reunião com os aliados foi porque estavam fazendo corpo mole, Eduardo disse que encontros para avaliação sempre ocorreram e que o momento é de ânimo e preparação. Revelou que nesse momento final é para acelerar e garantiu que não haverá mudanças. Sobre o programa eleitoral garantiu que vai continuar "mostrando ideias e propostas de forma respeitosa".

Em frente 1
De Jackson Barreto, ao ser questionado pela coluna se temia uma reação mais agressiva do adversário Eduardo Amorim e aliados: "Se partirem para a agressão e baixaria é feio para eles. Estou tranquilo, fazendo o meu programa que está sendo bem avaliado. Estou tocando a campanha e administrando o Estado. Não me preocupo com eles. Deus tem nos ajudado. Não é fácil administrar e ser candidato. Deus tem ajudado muito".
Em frente 2
Revela Jackson que nessa sexta-feira intensificará a campanha com carreatas e arrastões em Itabi, Gararu e Porto da Folha. Já no sábado irá a Itabaianinha, Poço Verde e Simão Dias, e no domingo passará o dia em municípios da grande Aracaju. "Vou continuar fazendo a campanha e mantendo contato com o povo", frisou.

Registro
Deu no Correio Braziliense: "Na primeira eleição sem a presença de Marcelo Déda (PT), ex-governador que morreu no ano passado em decorrência de um câncer, o quadro sucessório em Sergipe é favorável a Jackson Barreto (PMDB), o governador e ex-prefeito da capital. Ele subiu oito pontos percentuais nas últimas duas pesquisas Ibope. No levantamento feito entre 30 de agosto e 1º de setembro, Barreto tinha 41% das intenções de voto. Na pesquisa feita entre 8 e 10 de agosto, tinha 33%, quando estava empatado com o senador Eduardo Amorim (PSC). Ex-secretário de Saúde, Amorim manteve em setembro o mesmo percentual alcançado no início do mês passado".

Empréstimo
O blog de Cláudio Nunes noticiou ontem que o empresário Edivan Amorim, através da Sisan - cuja empresa tem como sócia a esposa - estaria contraindo um empréstimo de R$ 3,5 milhões na Caixa Econômica Federal em Sergipe. O jornalista lembra que essa mesma empresa já teria contraído empréstimo de R$ 55,7 milhões junto ao Banco do Nordeste, em Janaúba/MG, a ser pago até 2024. Esse assunto foi muito comentado ontem nas rodas políticas.

Ponto de vista
Por entender que o trabalho do preso é fator fundamental para sua reinserção na sociedade, o deputado federal André Moura apresentou o PL 4853, que estabelece a obrigatoriedade do trabalho para os detentos. "Todos os cidadãos precisam trabalhar para prover seu sustento e o de sua família, por que não os detentos? A mão de obra presidiária pode ser destinada à construção de obras públicas como creches, hospitais, escolas, rodovias, etc. Além de ajudar na ressocialização, pois com o trabalho digno ajudaria em suas despesas e desoneraria os cofres públicos", avalia.

Veja essa...
Após a reunião do candidato Eduardo Amorim com aliados, na última terça-feira, dois prefeitos mandaram recado para Jackson Barreto que desejavam uma conversa com ele. Na presença de um dos aliados no município de um desses prefeitos que mandou recado, JB disse que ia ignorar.

... e essa ...
À coluna, Jackson declarou que estava muito bem nos dois municípios e não queria complicar sua vida perante os aliados. "Não estaria sendo correto com meus amigos, no qual tenho sentimento de lealdade e sinceridade. O aliado, que estava presente quando recebi o recado, ficou satisfeito. Não quero jogar duplo, pois não cria grau de confiança". 

Curtas
Na agenda de hoje de Eduardo Amorim consta panfletagem na Av. Tancredo Neves, com concentração às 8h em frente à Marmoraria Sergipe; gravação para o programa eleitoral, às 9h; reunião com lideranças políticas, às 14h30; apresentação das Propostas de Governo para o Sindicato de Auditores Tributários do Estado de Sergipe, às 15h; caminhada em Nossa Senhora das Dores, às 17h; e inauguração de mais um comitê eleitoral em São Domingos, às 20h.

Já na agenda de Jackson Barreto nesta quinta-feira consta entrevista para o Programa Liberdade Sem Censura, às 7h50; entrevista ao Jornal do Estado, 2ª Edição, às 18h30; e mini carreata em Nossa Senhora do Socorro, no Conjunto João Alves e no Mutirão, a partir das 19h. A concentração é em frente à Praça de Eventos.

A coordenadora da campanha de Dilma Roussef em Sergipe, Eliane Aquino, visitou ontem a feira de Itabaiana e pontos comerciais do município em prol da candidatura não só de Dilma, mas de Jackson Barreto, Rogério Carvalho para o Senado e de Luciano Bispo para deputado estadual.

Ontem à noite, no Sindicato dos Bancários, o candidato a reeleição de deputado federal Márcio Macedo (PT) realizou uma reunião ampliada com militantes.

rittaoliveira@jornaldodiase.com.br  -  rittaoliveira@uol.com.br