Cada um por si

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 10/09/2014 às 00:02:00

A eleição este ano não está só diferente das anteriores por permanecer morna a 25 dias do pleito, porque os candidatos a governador estão fazendo campanha no vermelho e por terem arrecadado muito pouco. Ela também está diferente para a Câmara dos Deputados.

Além da ausência de entusiasmo nas campanhas para deputado federal, a campanha apresenta uma série de características poucos presentes em eleições anteriores. A primeira é a pouca vinculação com a eleição presidencial. Os candidatos estão concentrados em suas campanhas, sem o mesmo engajamento anterior nas eleições majoritárias.

Um dos motivos é que o pleito para a Câmara dos Deputados está mercantilizado e os candidatos não esperam nenhuma influência, seja positiva ou negativa, da eleição presidencial sobre seu desempenho eleitoral.

O máximo que os deputados federais estão fazendo é pedindo votos no programa eleitoral para seus presidenciáveis. Alguns candidatos da coligação de Eduardo Amorim (PSC) chegam a pedir voto para o presidenciável tucano Aécio Neves. Os candidatos da coligação de Jackson Barreto (PMDB) não chegam a pedir diretamente votos para Dilma, uma vez que aparece apenas o seu nome e o seu número no vídeo, enquanto falam.

Um outro motivo para não se ver o mesmo engajamento dos deputados federais nas eleições dos presidenciáveis é que nunca se viu uma pulverização tão grande nas disputas proporcionais, por força do grande número de coligações. A de Eduardo Amorim é a maior coligação, com 15 partidos: DEM / PSDB / PP / PT do B / PSC / PTC / PSL / PTB / SD / PV / PPS / PHS / PMN / PR / PEN. A coligação tem três partidos com candidato a presidente da República: PSDB (Aécio Neves), PSC (pastor Everaldo) e PV (Eduardo Jorge).
A coligação do seu maior adversário, o candidato Jackson Barreto, que é a segunda maior coligação, tem 11 partidos: PT / PSD / PC do B / PRTB / PDT / PRP / PROS / PSDC / PMDB / PSB / PRB. Três desses partidos tem candidato a presidente: PT (Dilma Rousseff), PSB (Marina Silva) e PRTB ( Levy Fidelix).

Com tantos partidos e candidatos a presidente da República em uma mesma coligação é realmente difícil pedir votos para o candidato ao Planalto. Também é muito remota a possibilidade de uma legenda eleger mais do que um deputado. Ou seja, em Sergipe podem ser eleitos oito deputados de oito partidos diferentes. Na eleição passada, o PT foi o único a eleger dois deputados federais: Rogério Carvalho e Márcio Macedo.

Trocando em miúdos, nas eleições deste ano para a Câmara dos Deputados - onde muitas alianças e coligações para a eleição proporcional foram feitas exclusivamente para resultados, em muitos casos sem qualquer vínculo ideológico entre os candidatos e entre os partidos coligados - vai prevalecer a lógica de "cada um por si e Deus por todos".

Mais recursos 1
O campeão em arrecadação de recursos para a campanha eleitoral entre os candidatos a deputado federal é o já deputado Laércio Oliveira (SD), que declarou ter arrecadado R$ 584.091,99 junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TSE) entre os dias 28 de agosto e 2 de setembro. O vice-campeão é o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), que declarou ter arrecadado R$ 331.850,00.

Mais recursos 2
Declararam junto ao TSE terem arrecadado entre R$ 100 mil e R$ 200 mil: André Moura/PSC (R$ 185.000,00), Mendonça Prado/DEM (R$ 177.000,00), Jony Marcos/PRB (R$ 156.088,45), Fábio Reis/PMDB (R$ 130.000,00), Iran Barbosa/PT (R$ 115.609,00) e João Daniel/PT (R$ 101.000,00).

Menos recursos
Informaram ao TSE terem arrecadado entre R$ 20 mil e R$ 100 mil os candidatos a deputado federal: Fábio Mitidieri/PSD (R$ 74.880,00), Valadares Filho/PSB (R$ 70.300,00), Adierson Monteiro/PSDB (R$ 59.390,00), Dr. Emerson/PT (R$ 39.322,54), Adelson Barreto/PTB (R$ 30.000,00) e Márcio Macedo/PT (R$ 22.500,00).

Origem
Aparecem como doadores da campanha dos candidatos a uma cadeira na Câmara dos Deputados: pessoas físicas, o partido e o próprio candidato. Empresas não fizeram doações.
No vermelho
A exemplo dos candidatos a governador de Sergipe, vários candidatos a deputado federal estão fazendo sua campanha no vermelho. Os deputados federais Laércio Oliveira, André Moura, Fábio Reis e Valadares Filho, nesses dois meses de campanha, por exemplo, gastaram mais que arrecadaram. Laércio arrecadou R$ 584 mil e gastou R$ 649,8 mil; André arrecadou R$ 185 mil e já gastou R$ 450 mil; Fábio arrecadou R$ 130 mil e desembolsou R$ 380 mil; e Valadares obteve uma receita de R$ 70 mil e gastou R$ 115.244,00.

Campeã
Candidata à reeleição, a presidente Dilma Rousseff (PT) é a campeã em arrecadação entre os presidenciáveis. Nos dois primeiros meses de disputa oficial, sua campanha levantou o dobro de recursos de seus dois principais adversários juntos: Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB). De acordo com a segunda parcial da prestação de contas divulgada no sábado (6) pelo TSE, Dilma declarou ter recebido R$ 123,3 milhões entre julho e agosto. Aécio (PSDB), R$ 42,3 milhões, e Marina, R$ 19,5 milhões.

Financiadores
O principal financiador de Dilma até agora é a Construtora OAS, que repassou R$ 20 milhões para a petista. No caso de Aécio, o maior montante vem de outra empreiteira, a Andrade Gutierrez, que colaborou com R$ 8 milhões. Já Marina Silva, cuja prestação inclui repasses feitos ao seu antecessor, Eduardo Campos (PSB), tem como principal financiador o grupo JBS, que transferiu R$ 6 milhões para sua campanha.

Registro 1
Nos dois meses de campanha o candidato a governador Jackson Barreto arrecadou R$ 440.400,000 doados diretamente à sua candidatura e R$ 850.350,00 doados ao Comitê Financeiro da sua campanha, totalizando R$ 1.290,750. Esse valor é superior ao arrecadado por todos os outros candidatos, conforme informações prestadas ao TSE: Eduardo Amorim/PSC arrecadou (R$ 353.315,32), Sônia Meire/PSOL (R$ 24.690,00), Airton/PPL (R$ 1.724,00) e Betinho (PPL) não arrecadou nada.
Registro 2
Os principais financiadores da campanha de Jackson até o momento é o empresário Luciano Barreto, que doou R$ 500 mil e a Fertilizantes Heringer AS, que doou R$ 100 mil. Já de Eduardo Amorim o maior financiador foi a Construtora Cunha, que fez um repasse de R$ 100 mil.

Pesquisas
Na reunião que teve ontem de Eduardo Amorim com prefeitos e lideranças de diversos municípios de Sergipe, para uma conversa em torno da reta final das eleições 2014, o candidato a governador falou sobre as pesquisas. Disse que as últimas divulgadas não refletem os números reais, porque alguns dos maiores colégios eleitorais em Sergipe não foram incluídos na pesquisa.

Ponto de vista 1
Do prefeito Fábio Henrique (PDT/Nossa Senhora do Socorro) sobre a campanha que faz para Jackson Barreto: "É fácil pedir voto para Jackson. Primeiro por causa de sua história. Depois, porque em cada município ele tem o que dizer e tem o que mostrar".

Ponto de vista 2
Ainda de Fábio Henrique sobre a campanha em favor de Rogério Carvalho para o Senado: "Quando a gente mostra o que ele fez e pode fazer, a gente consegue reverter muita coisa. Isso nos dá ânimo para se empenhar em pedir voto para Rogério. Precisamos de um senador que lute conosco pelos anseios dos prefeitos".

Parceria
O deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB) e o deputado federal Valadares Filho (PSB) estão fazendo dobradinha em vários municípios. Nos últimos dias visitaram, juntos, os municípios de Estância, Ribeirópolis e Poço Redondo, onde, inclusive, o ex-prefeito Frei Enoque declarou apoio aos dois candidatos.  

Ficha limpa
Pelo menos 240 candidatos que disputam as eleições de outubro foram barrados até o momento com base na Lei da Ficha Limpa, segundo balanço feito pela Procuradoria Geral Eleitoral obtido pelo jornal O Globo. De acordo com o jornal, os procuradores eleitorais haviam contestado 501 candidaturas de políticos considerados "fichas-sujas". Além dos que foram considerados inelegíveis pela Justiça eleitoral até agora, 50 abandonaram a disputa após a contestação do Ministério Público Eleitoral.

Veja essa...
Muita gente que assistiu ontem a entrevista do candidato a governador Betinho (PPL), na TV Atalaia, deixou de ter qualquer dúvida de que ele é candidato laranja nas eleições deste ano. Não falou em proposta de governo, se preocupou apenas em agredir o candidato governista Jackson Barreto.

Curtas
Na agenda de hoje do candidato Eduardo Amorim consta visita à feira de Gararu, às 8h; reunião com a equipe de marketing e comunicação, às 14h; entrevista na TV Atalaia, às 19h; e inauguração do Comitê "Sou Jovem, Sou 20 ", às 20h, na Rua Lagarto.

Consta na agenda desta quarta-feira do candidato Jackson Barreto a realização de mini carreata, às 19h, no Bairro Siqueira Campos. A concentração será na Av. São Paulo c/ Rua Amazonas.

Jackson adiou o encontro que teria hoje, às 17h, na Associação dos Defensores Públicos do Estado de Sergipe (Adpese) com a participação de defensores públicos, estudantes e lideres de diversos Movimentos. No último dia 03, o encontro foi com a candidata Sônia Meire. No próximo dia 17 será com Eduardo Amorim.

No programa eleitoral de ontem, o ex-candidato a prefeito Anderson Gois apareceu pedindo votos para o candidato a deputado federal Fábio Reis (PMDB). Até o início deste ano Anderson estava vinculado aos irmãos Amorim.

O candidato a deputado federal Mendonça Prado (DEM) desfilou na avenida, no 7 de setembro, abraçado com Jackson Barreto. Ele, inclusive, usou a praginha com o número 15.

De Mendonça Prado, em entrevista a FM Mar Azul, de Estância: "Eu tô cansado da demagogia e daqueles que querem se dar bem com o Estado de Sergipe".