Campanha no vermelho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/09/2014 às 00:28:00

rittaoliveira@jornaldodiase.com.br  -  rittaoliveira@uol.com.br

A campanha eleitoral deste ano vem mesmo se consolidando como de vacas magras, com uma arrecadação bem abaixo do esperado pelos candidatos a governador de Sergipe, que chegaram a declarar, os cinco, que gastariam R$ 41.050 milhões.

De acordo com a 2ª prestação de contas dos candidatos, feita junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entre os dias 28 de agosto e 02 de setembro e divulgadas no site do TSE no sábado à tarde, foram gastos nos dois primeiros meses de campanha R$ 6.077.268,01.
As contas estão no vermelho, pois a grande maioria dos candidatos declarou despesas mais altas que a arrecadação dos dois primeiros meses da disputa. Quem gastou muito mais do que arrecadou foi o candidato Eduardo Amorim (PSC).  

Em agosto, Amorim arrecadou R$ 253.315,32 e teve um gasto significativo de R$ 4.576.523,82. A receita e despesa também não bateu na prestação de contas da 1ª parcela. Em julho o candidato informou ao TSE que arrecadou R$ 100 mil e gastou R$ 327.526,54.

Já o principal adversário, Jackson Barreto (PMDB), teve como receita em agosto de R$ 282.950,00 de pessoa física e jurídica e um gasto correspondente a R$ 633.815,34. Em julho, Barreto também ficou no vermelho: arrecadou R$ 157.450,00 e gastou R$ 485.458,31.
Um total de R$ 850.350,00 foram doados para o Comitê Financeiro da campanha de Jackson em agosto.

Desse dinheiro foram gastos R$ 406.610,00. Já para o Comitê Financeiro de Eduardo Amorim não houve nenhum lançamento de receita.
Os dois candidatos, que declararam que gastariam R$ 10 milhões cada um nos três meses de campanha, arrecadaram até agora muito aquém do esperado. Nos dois primeiros meses de campanha, Jackson arrecadou R$ 440.400,000, contabilizando uma despesa de R$ 1.119.273,65 e o seu comitê recebeu a doação de R$ 850.350,00, tendo gasto a metade. Ou seja, JB arrecadou apenas cerca de 4% do que esperava e gastou 15% do previsto no projeto.

Já Eduardo arrecadou R$ 353.315,32 nos dois primeiros meses da campanha, o correspondente a cerca de 3,5% do que estabeleceu como meta. Ele teve um gasto de R$ 4.904.050,36, o equivalente a quase a metade do que estimou gastar nos três meses da campanha eleitoral.
A situação dos outros três candidatos a governador do Estado também não é diferente. O Betinho (PTN) não fez nenhum lançamento de receita nas duas prestações de contas, mas registrou um gasto de R$ 30.000,00 com o programa eleitoral gratuito.

Os candidatos Sônia Meire (PSOL) e Airton (PPL) não declararam despesa nem receita na primeira prestação de contas. Na segunda prestação de contas, divulgada no sábado, Sônia declarou receita de R$ 24.690,00 e despesa de R$ 22.220,00 e Airton arrecadou R$ 1.724,00 e teve despesa igual.
O fato dos candidatos estarem fazendo campanha no vermelho, com a arrecadação bem abaixo das expectativas, explica o fato dela está morna nas ruas, acontecendo mais nos gabinetes, mesmo a 28 dias das eleições.
A baixa receita dos candidatos nestes dois primeiros meses de campanha também mostra que os empresários não estão investindo nas eleições deste ano em Sergipe ...

Doadores JB 1
Dos R$ 282.950,00 arrecadados em agosto pelo candidato a governador Jackson Barreto (PMDB) um total de R$ 100 mil foi doado pela Fertilizantes Heringer S.A e R$ 86.450,00 foi repassado pela Maracar Veículos. O candidato a vice-governador Belivaldo Chagas (PSB) fez uma doação de R$ 15 mil.

Doadores JB 2
Como aconteceu no mês de julho, vários secretários de Estado doaram R$ 2.500,00 cada um para a campanha do governador. Entre eles, Saumíneo Nascimento (Desenvolvimento Econômico), Genival Nunes (Meio Ambiente), Hortência Araújo (Educação), Joélia Santos (Saúde), Valmor Barbosa (Infraestrutura) e Jeferson Andrade (Fazenda). O controlador-geral do Estado, Adinelson Silva; O presidente do Banese, Fernando Mota, e o comandante geral da Polícia Militar, Maurício Iunes, também doaram R$ 2.500,00. Membros do segundo escalão fizeram doações de R$ 1.000,00 e R$ 1.500,00.   

Doadores JB 3
Fizeram doação de R$ 850.350,00 para o Comitê Financeiro da campanha de Jackson Barreto em agosto: o empresário Luciano Barreto (R$ 500 mil); o vice-presidente da República, Michel Temmer (200 mil); M&S Construções LTDA (R$ 80.300,00); o candidato a vice de JB, Belivaldo Chagas (R$ 30 mil); Localyne Transportes Turismo (R$ 25 mil), Maracar Veículos (R$ 13.500,00) e Luiz Hamilton (R$ 1.000,00).

Doadores EA
Doaram para o candidato Eduardo Amorim (PSC), conforme segunda prestação de contas feita em agosto junto ao TSE, aa Construtora Cunha (R$ 100 mil) e várias pessoas físicas, entre elas o deputado federal e candidato a reeleição André Moura (Cerca de R$ 33 mil). No primeiro mês de campanha a Construtora Cunha também doou R$ 100 mil para a campanha de Amorim.

Doador SM
Dos R$ 24.690,00 arrecadados pela candidata Sônia Meire (PSOL) nos dois primeiros meses de campanha, um total de R$ 7 mil foi doado pela própria candidata.

Senado 1
Já para o Senado, nos dois meses de campanha o candidato Rogério Carvalho (PT) foi quem mais arrecadou. Declarou junto ao TSE uma receita de R$ 803.200,00 e uma despesa de R$ 595.070,87.

Senado 2
Foram doadores da campanha de Rogério: Construtora Andrade Gutierrez (R$ 190 mil), Arosuco Aromas e Sucos LTDA (R$ 165 mil), Angiocar Serviços de Cardiologia e Radiologia Intervencionista de Sergipe (R$ 100 mil), JBS AS (R$ 125 mil), Banco BTG Pactual AS (R$ 25 mil), Andrade Gutierrez (R$ 190 mil), GF Locador LTDA (R$ 6 mil) e o próprio candidato (R$ 2.200,00).

Senado 3
Já a sua principal adversária ao Senado, Maria do Carmo Alves (DEM), declarou que arrecadou apenas R$ 400 mil doados pelo ex-governador Albano Franco (PSDB), tendo gasto apenas R$ 147.467,11. O filho de Albano, o empresário Ricardo Franco (PTB), é o primeiro suplente da senadora.

Os demais
Os outros três candidatos a senador declararam, junto ao TSE, uma  arrecadação de R$ 19.497,53 (Leonardo/PSTU), R$ 1.169,00 (Marques/PCB) e R$ 1.000,00 (Moacir/PPL). Só o candidato Leonardo declarou que já gastou R$ 17.638,60.

Registro
A prestação de contas final deve ser entregue até o dia 4 de novembro, 30 dias após as eleições. Os candidatos que concorrerem ao segundo turno, a prestação de contas referente aos dois turnos deverá ser entregue até o dia 25 de novembro. No site do TSE é possível consultar a situação das contas dos candidatos que também concorrem a presidente, deputado federal, deputado estadual e deputado distrital.

Saúde
De Jackson Barreto, ontem, no programa "A Hora da Verdade", sobre a saúde no Estado: "Quando Déda assumiu, encontramos o caos total nessa área. Organizamos a infraestrutura e vamos reforçar o trabalho no cuidado com as pessoas, na atividade fim. Até a UTI do Hospital de Itabaiana, terra do meu adversário, fomos nós que fizemos. É bom falar do que fizemos porque essa crise vem do governo de João, quando o secretário de Saúde era justamente o meu adversário". Referiu-se ao adversário Eduardo Amorim.
Aracaju
Ele lembrou que o problema na saúde pública de Aracaju passa pela Prefeitura, que não está dando a devida atenção. "O problema do Huse é que recebemos também a população que não consegue atendimento nos postos de saúde dos municípios. Quando as Clínicas do interior não estão funcionando, todo mundo vem para o Huse e o Hospital de Urgência fica sobrecarregado, trabalhando saúde básica e de alta complexidade. Temos 43 Centros de Saúde em Aracaju e duas unidades de Pronto Atendimento sem atendimento correto".

Compra de voto
Respondendo o questionamento de um ouvinte, Jackson foi taxativo sobre a compra de votos: "É caso de polícia!" E orientou: os eleitores precisam avaliar o trabalho dos candidatos. "As pessoas precisam saber que quem vende o voto arca com as consequências depois, porque o candidato que compra não tem nenhum compromisso. Voto é uma coisa sagrada e deve ser dado às pessoas que trabalham. A melhor forma do eleitor escolher um candidato é avaliar quem fez algo pela sua cidade, pelo seu bairro, pela sua comunidade", disse.

Investigação
Eduardo Amorim também não perdeu a oportunidade de criticar o adversário na entrevista que concedeu ontem ao Liberdade Sem Censura. Disse que a ligação do empresário e ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, com o Governo de Sergipe e Jackson Barreto precisa ser investigada de forma urgente, principalmente após escândalos envolvendo a possível vinda de uma refinaria para o Estado e a prisão de Paulo Costa, logo em seguida.

Veja essa...
De Jackson Barreto ao comparar o seu patrimônio com o do adversário Eduardo Amorim e seu irmão Edivan: "Na hora de declarar os bens à Justiça Eleitoral, nenhum dos dois colocou sequer a casa e o apartamento onde moram, imóveis que custam mais de R$ 3 milhões. Por que será que eles escondem tudo o que possuem?", perguntou, lembrando que Edivan declarou um patrimônio de R$ 78 mil.

Curtas
Ontem de manhã Eduardo Amorim foi a Porto da Folha, onde visitou a feira da cidade. Ás 16h participou de procissão em Lagarto e à noite inaugurou em Areia Branca mais um comitê de campanha.

Na agenda de hoje de Eduardo consta, às 7h, panfletagem na Av. Tancredo Neves (em frente ao sinal do supermercado Macro); às 9h gravação para o programa eleitoral; às 10h reunião com lideranças; às 13h reunião com lideranças; e às 16h, caminhada no Conjunto Bugio, com concentração no supermercado G Barbosa.
Jackson Barreto, Rogério Carvalho e Belivaldo Chagas reuniram na manhã de ontem, no hotel Mercure, 50 prefeitos, além de vice-prefeitos, vereadores e lideranças municipais para definir os próximos passos na reta final da campanha eleitoral. A ordem é não cantar vitória com os bons resultados das pesquisas, mas intensificar a mobilização em todos os municípios.

Na agenda desta terça-feira de Jackson consta carreata em Ribeirópolis, às 19h, e inauguração de Ponto de Apoio após a carreata no município.