Campanha cara

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/08/2014 às 00:53:00

Durante velório do ex-deputado federal Pedrinho Valadares no último domingo, que foi uma das sete vítimas do acidente de avião que vitimou o presidenciável Eduardo Campos, a coluna conversou com alguns candidatos a deputado estadual e federal nas eleições deste ano sobre a campanha eleitoral.

Os candidatos, tanto da oposição quanto da situação, foram unânimes em dizer que nunca existiu uma eleição como essa e que quando chegam para conversar com um vereador ou liderança comunitária a primeira coisa que fazem é perguntar "qual a estrutura" que tem a oferecer?
Revelaram que pela "estrutura de campanha" um líder comunitário pede de R$ 10 mil a R$ 20 mil e um vereador de um município com 10 mil eleitores cobra R$ 30 mil. Disseram ainda que esse valor de R$ 30 mil aumenta de município para município de acordo com o número de eleitores.

Um candidato a deputado estadual pela oposição chegou a contar um fato curioso que aconteceu com ele nesta campanha. Segundo ele, uma liderança da Cabrita chegou a cobrar R$ 17.564,00 pela "estrutura de campanha", e como contraproposta ofereceu R$ 1.5000,00, sem um entendimento. Declarou que dias depois essa pessoa ligou dizendo que aceitava a sua contraproposta de R$ 1.500,00, mas que recusou.   
Trocando em miúdos, os candidatos proporcionais admitiram que uma campanha eleitoral ficou muito cara e, por isso, não se está vendo campanha nas ruas. Sendo, portanto, esta campanha a mais curta dos últimos tempos por falta de dinheiro para toda estrutura, que envolve compra dos famosos cabos eleitorais e de materiais de campanha.

Eles também reclamaram da indiferença do povo para com os atos de campanha, talvez pelo descrédito na classe política brasileira. Assim como da dificuldade para capitalizar recursos junto aos empresários. O resultado disso é que as campanhas não estão sendo feitas nas ruas, mas nos gabinetes.
Como a campanha saiu das ruas, tanto dos candidatos proporcionais quanto dos majoritários, estando mais nos gabinetes, o que deve acontecer até 05 de outubro são muitos acertos que não serão cumpridos, falsas promessas e grandes traições.

Como o grosso da campanha está sendo feito nos gabinetes, a grande incógnita é se os atravessadores vão chegar junto ao povo, ou seja, se vão conseguir reverter em voto o que ficou acordado nos gabinetes ou não vão nem tentar. O povo não está sendo mais besta ...
A expectativa é que a campanha, que permanece fria a 47 dias das eleições, aqueça com o programa eleitoral gratuito no rádio e na televisão.

Ponto de vista 1
O candidato a reeleição de deputado federal Márcio Macedo (PT) avalia como "muito esquisita" a campanha eleitoral deste ano. "A campanha saiu das ruas e está sendo feita nos gabinetes. Como tenho tradição de militância estou sempre nas ruas, nos semáforos e nas caminhadas", disse.

Ponto de vista 2
Para Márcio, essa realidade é um retrato que esse modelo de eleição esgotou. "Portanto, é necessário, urgentemente, a reforma política no Brasil. Sendo reeleito, com fé em Deus, a reforma política será a maior das bandeiras do meu futuro mandato. Assim como o discurso sobre o novo pacto federativo, tendo em vista que os municípios estão sendo muito sacrificados".
Programa eleitoral   
Começa hoje o horário gratuito de propaganda eleitoral no rádio e na televisão dos candidatos às Eleições Gerais de 2014. Hoje o programa é com os candidatos a presidente da República e deputado federal. O horário se estenderá até o dia 2 de outubro, em primeiro turno, sempre as terças, quintas e sábados para os candidatos a presidente e deputado federal. No rádio o programa será das 7h às 7h50 e das 12h às 12h50 e na TV das 13h às 13h50 e das 20h30 às 21h20.

Os presidenciáveis 1
Os 25 minutos de propaganda eleitoral em bloco dos candidatos a presidente estão assim divididos: Dilma Rousseff  (PT) -11min24s; Aécio Neves (PSDB) - 4min35s; Eduardo Campos/Marina Silva (PSB) - 2min03s;  Pastor Everaldo(PSC) - 1min10s;  Eduardo Jorge  (PV) - 1min04s;  Luciana Genro (PSol) - 51s; Eymael (PSDC) - 45s; Levy Fidelix (PRTB) - 47s; Zé Maria  (PSTU) - 45s; Mauro Iasi (PCB) - 45s; e Rui Pimenta (PCO) - 45s.

Os presidenciáveis 2
A ordem de veiculação da propaganda eleitoral no horário gratuito com relação aos candidatos a presidente da República ficou assim: Eduardo Campos/Marina, Mauro Iasi, Zé Maria, Aécio Neves, Dilma Rousseff, Levy Fidelix, Eymael, Rui Pimenta, Pastor Everaldo, Eduardo Jorge e Luciana Genrol. Essa será a ordem de abertura do horário eleitoral desta terça-feira. Nos programas seguintes, será adotado sistema de rodízio.

Os federais
Quem terá mais tempo no programa eleitoral são os candidatos a deputado federal da coligação de Jackson Barreto, denominada "Agora é a Vez do Povo" - (10:46). O segundo maior tempo será dos candidatos da coligação de Eduardo Amorim, chamada "Sergipe meu Amoro" - (08:30). Os candidatos da coligação de Sônia Meire (PSOL), denominada Frente de Esquerda, terão 1:29, os candidatos do PRTB e PMN um total de 01:25 cada partido, e o PPL, um tempo de 01:23.

Os governadores 1
Só amanhã começa o programa eleitoral dos candidatos a governador, senador e deputado estadual, que acontecerá sempre as segundas, quartas e sextas-feiras, das 7h às 7h50 e das 12h às 12h50 no rádio e das 13h às 13h50 e das 20h30 às 21h20 na TV.

Os governadores 2
O candidato a governador Jackson Barreto (PMDB) terá mais tempo no Programa gratuito (8:52). O segundo maior tempo é do candidato Eduardo Amorim (PSC) - 7:03, Sônia Meire (PSOL) - 1:24, Betinho (PTN) - 1:20 e Airton Santos (PPL) - 1:20.

Emoção
A grande expectativa é como será o primeiro programa para presidente da República da coligação "Muda Brasil", que tinha como candidato o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em acidente trágico de avião na quarta-feira da semana passada com mais seis pessoas. É que ele chegou a gravar os primeiros programas e a coligação ainda não registrou o nome de Marina Silva como a candidata que vai substituí-lo.

Volta a agenda
Após suspender a campanha eleitoral em respeito à morte de Eduardo Campos e Pedrinho Valadares, o candidato a governador Eduardo Amorim retornou ontem a agenda de campanha. Às 7h, Amorim participou de uma panfletagem na Avenida Francisco Porto com Pedro Valadares; às 8h foi a Lagarto inaugurar o comitê eleitoral e visitar a feira. Às 14h gravou para o programa eleitoral e às 18h realizou mini-carreata nos bairros Industrial, Manoel Preto e Aracajuzinho.
Em campanha
João Alves Filho (DEM) deixou ontem de manhã as suas atividades de prefeito de Aracaju e foi a Lagarto, ao lado da mulher, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM), que disputa a reeleição, para inauguração do comitê de Amorim no município.  

Volta hoje
Já o candidato a reeleição de governador, Jackson Barreto, passou a manhã gravando para o programa eleitoral e pela tarde e noite teve agenda administrativa. A agenda de campanha de rua de Barreto, que estava suspensa em luto a morte de Eduardo Campos e Pedrinho Valadares, retoma hoje.

Ato religioso
No domingo, Jackson Barreto participou da procissão que homenageia Nossa Senhora de Imperatriz, em Tobias Barreto, na companhia dos candidatos a deputado federal Mendonça Prado (DEM) e Márcio Macedo (PT).

Novela
O ex-prefeito de Capela, Manoel Sukita (PSB), conquista novamente a liberdade mediante habeas corpus concedido pela ministra do Superior Tribunal de Justiça, Maria Theresa de Assis Moura. Ele estava no Cadeião desde o dia 9 de agosto por liminar do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife. Anteriormente, Sukita tinha passado 40 dias preso pela acusação de lavagem de dinheiro, desvio de recursos da Prefeitura de Capela e improbidade administrativa. Vai cuidar da sua campanha de deputado estadual.

Veja essa...
No início do ano, o vice-presidente estadual e conselheiro nacional do PV, o capelense Antonio Leite, foi a Capela entregar o Diretório Municipal a Argemiro, que colocou alguns dos seus filhos na Executiva Municipal. Hoje Leite, que é candidato a deputado federal, está surpreso com o fato dos dirigentes verdes em sua terra natal não apoiarem sua candidatura, mas a de outro candidato a federal de outra legenda.

Curtas
Dezenas de lideranças políticas do Estado foram ao velório e sepultamento do ex-deputado federal Pedrinho Valadares, realizado no domingo, na Colina da Saudade. Assim como amigos, familiares e a comunidade de Simão Dias, sua terra natal.

Nas rodas políticas só se falava na pessoa amiga, contadora de história e tocador de violão que era Pedrinho Valadares. Sem falar no seu amor a família e o caminho que trilhava ao lado de Eduardo Campos.

O deputado federal Valadares Filho, primo de Pedrinho, lembrou que no dia 21 de junho, último dia que Eduardo Campos esteve em Aracaju, estavam com ele quatro das outras seis pessoas que morreram no acidente trágico.

Conta que as lideranças do PSB almoçaram e conversaram durante toda a tarde sobre a campanha eleitoral com Eduardo Campos, Pedrinho Valadares, o jornalista Carlos Pecol, o cinegrafista Marcelo de Oliveira Lyra e o fotografo Alexandre Gomes. Só não estavam os dois pilotos.

A juíza Elvira Maria de Almeida concedeu ontem liminar proibindo a transferência da folha de pagamento dos servidores da Prefeitura de Aracaju do Banese para a Caixa Econômica Federal. Atendeu a uma ação do Sindicato dos Bancários.