Polícia procura família de autista abandonado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O garoto está num abrigo municipal
O garoto está num abrigo municipal

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 31/07/2014 às 00:47:00

Policiais do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) investigam o abandono de um garoto que foi encontrado no último dia 20, vagando pelos corredores do Shopping Riomar, na Coroa do Meio (zona sul de Aracaju). Ele aparenta ter entre 10 e 12 anos de idade, tem dificuldades de comunicação e é portador de autismo. A família do garoto não foi encontrada até o fechamento desta edição e, segundo as autoridades, nenhum parente procurou por ele. A 16ª Vara Cível Privativa da Infância e Juventude acompanha o caso.

A delegada responsável pelo caso, Lara Schuster Batista, já teve acesso a imagens do circuito de segurança do Shopping, que podem fornecer pistas sobre quem teria deixado o menino por lá. Ao fim da tarde, surgiu a informação que o menino autista seria de Salvador (BA) e que uma equipe do DAGV deve ir hoje à capital baiana para checar tal pista. Há ainda a suspeita de que o abandono teria sido planejado com antecedência, pois o menino foi achado com uma mochila de roupas, fraldas descartáveis e remédios controlados, mas sem nenhuma identificação. O menino foi acolhido pelo Conselho Tutelar de Aracaju e está no Abrigo Caçula Barreto, no Bugio (zona oeste), aos cuidados da Secretaria Municipal da Família e Assistência Social (Semfas).

Segundo o órgão, a criança é de cor branca e cabelos castanhos claros, possuindo aproximadamente 1,45 metro de altura. Ela também tem aspecto saudável e bem cuidado, além de demonstrar afeto e tranquilidade. "Ele já foi encaminhado para o Centro de Atenção Psicossocial - CAPS para ter apoio social e psicológico. Ele já foi diagnosticado como autista e agora estamos no aguardo das próximas determinações judiciais. Já tivemos aqui a presença da Associação de Pais de Autistas, da fonoaudióloga e de uma pediatra. É triste situações como essa até por ser tratar de uma especial", conta a coordenadora do abrigo, Sandra de Souza.