Fernando Sobral é enterrado em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Fernando Sobral em sua antiga sala no Iate
Fernando Sobral em sua antiga sala no Iate

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/07/2014 às 00:38:00

Foi enterrado na tarde de ontem o corpo do comodoro do Iate Clube de Aracaju, Antônio Fernando Franco Sobral, popularmente conhecido como Orelhinha. Vítima de um ataque cardíaco, o corpo do sergipano foi encontrado por populares em um posto de combustível localizado no bairro Coroa do Meio. Além de grande esportista e recordista de torneios internacionais, a exemplo do Mundial Master da Classe Snipe, Fernando Franco ao longo dos últimos anos tinha se destacado como exemplar gestor do Iate Club, local no qual frequentava desde os cinco anos de idade acompanhado dos pais e avós. O velório foi realizado no Salão Nobre do clube, e o sepultamento no cemitério Colina da Saudade.

Conforme informações oficiais apresentadas pela Assessoria de Comunicação do Iate, funcionários do posto de combustíveis teriam observado que ele havia entrado no veículo particular, onde ficou por aproximadamente 1h30. Em decorrência da longa permanência no estacionamento do posto, um dos funcionários teria se aproximado a fim de saber o motivo do longo período parado. Ao se aproximar este mesmo frentista se deparou com o carro e o sistema de ar-condicionado ligado, e o banco do motorista inclinado. Presume-se que o comodoro teria sentido fortes dores e deitou para descansar. Ainda abalados com a notícia, muitos amigos foram até o Iate para prestar as respectivas condolências à família e despedir-se do gestor.

Triste, Otacílio Viera de Mello, gerente do Iate Clube, lamentou a morte precoce do comodoro e disse temer o retrocesso do clube. Segundo Mello, essa era a terceira passagem de Fernando Franco no comando geral do local e desde que assumiu o mandato estava desenvolvendo um trabalho intenso de revitalização. "Ele foi o grande responsável por modernizar todo esse espaço e tenho certeza que ele foi um dos melhores gestores do Iate Clube de Aracaju. Todos os associados e funcionários gostavam muito dele e tinham um respeito muito intenso. Perdemos um grande amigo e um gestor referenciável e sempre descontraído", lamentou. Fernando era divorciado e deixou uma filha de 30 anos, Fernanda Sobral.

Presente em todo o protocolo fúnebre, o irmão, Eugênio Sobral, na tarde de ontem dizia estar muito abalado com a perda e não entender as causas da 'tragédia' - palavra utilizada por ele ao relatar a morte. Chorando, o irmão enalteceu a maneira esportiva que Fernando administrava a vida. "Não tenho conhecimento de como ele estava cuidando da própria saúde, se estava tendo acompanhamento médico, mas o que posso garantir é que faz menos de dez anos que ele voltou a treinar para participar do Campeonato Brasileiro. Estamos sentidos pela forma como tudo aconteceu com meu irmão", disse.

Compartilhando com as declarações de Eugênio, quem também esteve no velório foi o amigo de infância Edvaldo Soares. Em entrevista concedida ao Jornal do Dia ele disse ter desconfiado de algum tipo de trote. Informado por funcionários do próprio Iate, o amigo apenas avaliou veracidade dos fatos após ter retornado para o número em que havia lhe comunicado o fato. "Como poderia acreditar em uma notícia triste daquela se havia me encontrado com ele no final de semana e ele aparentava estar muito bem?", indagou. Preocupado com o futuro do Iate, Edvaldo concluiu dizendo: "Não era associado, mas percebia o quanto ele amava isso aqui. Tenho medo que acabe sem a presença dele. A pior notícia do ano, sem duvidas".

Antônio Fernando Franco Sobral era filho de Clóvis Sobral e Maria Luíza Franco Sobral e dedicou 53 anos ao esporte de navegação a vela. Enquanto atleta ele conquistou também o vice-campeonato mundial da modalidade, em São Paulo, e sagrou-se bicampeão mundial nos dois anos seguintes em Portugal. Dos quatro mandatos que conquistou, graças aos votos dos sócios, ele havia completado o sétimo ano em 2014, e preparava-se para entregar o cargo no segundo semestre de 2015. Em meio a aplausos, às 15h o corpo deixou o Salão Nobre. Com a morte de Fernando Franco, Paulo Maciel Santos até então vice-comodoro, deve assumir a diretoria executiva.