Os aliados de sempre

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/07/2014 às 15:34:00

Não houve surpresas nas convenções para a escolha de candidatos e definição de
coligações para as Eleições Gerais de 2014, cujo prazo final encerrou ontem. Apesar de
muitas especulações nos últimos 30 dias, os aliados de sempre em Sergipe formalizaram
aliança.

O governador Jackson Barreto (PMDB) registrou sua candidatura a reeleição, tendo
como candidato a vice o ex-secretário da Educação Belivaldo Chagas (PSB). O candidato
ao Senado é o deputado federal Rogério Carvalho (PT).
PMDB, PSB e PT são aliados há duas décadas em Sergipe. Além desses partidos, JB
conseguiu manter no bloco também aliados de mais de uma década, como o PCdoB, o
PDT e o agora PRB, antes PL, do prefeito Heleno Silva. Os desentendimentos políticos que
ocorreram este ano foram motivados pela possibilidade do DEM poder vir a integrar a
chapa majoritária, com a indicação do candidato a vice, cuja vaga era pleiteada pelo PSB
dos Valadares. E também o fato de Rogério lançar o deputado estadual João Daniel (PDT)
para deputado federal.

Havia uma expectativa do DEM, liderado no Estado pelo prefeito João Alves Filho,
indicar o deputado federal Mendonça Prado como vice. Mendonça, inclusive, chegou a
colocar seu nome como candidato a vice de Jackson Barreto. Já nos últimos 20 dias, o
nome cogitado foi o da senadora Maria do Carmo Alves.
Isso levou o senador Valadares a pensar em disputar o governo, pressionado, até, pelo
PSB nacional para montar palanque próprio para fortalecer a candidatura de Eduardo
Campos a presidente da República. Os Valadares, inclusive, sentaram várias vezes com os
Amorim visando discutir uma aliança, com o PSB indicando o vice do senador Eduardo
Amorim (PSC).

O primeiro impasse com os Amorim foi porque o bloco não aceitava o nome apresentado
pelo partido: o de Belivaldo Chagas. Queria o do deputado federal Valadares Filho.
Para o grupo, a candidatura de Valadares Filho era a garantia de que todo o partido
estaria engajado na campanha.
Na semana passada ocorreu pressão de tudo o que é lado para que o PSB fechasse
apoio a Eduardo Amorim. Teve até ameaça de intervenção do Diretório Nacional no
Diretório Estadual, para que o partido em Sergipe ficasse com o candidato a governador
do PSC.

O senador Eduardo Amorim (PSC) também fechou sua chapa majoritária com seus
aliados tradicionais. Estão na coligação o DEM, que indicou a senadora Maria do Carmo
Alves para o Senado, o PSDB, PP, o PR, PTdo B, entre outros.
Depois de muitas conversas, especulações e convites foi dito que o deputado estadual
Venâncio Fonseca (PP) seria o vice de Amorim para que o majoritário não venha a ter
problema junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE ) com o fechamento da ata. O bloco
ainda vai continuar procurando um vice, que pode ser trocado até o sábado. Antes foram
contactados vários nomes com a decisão do PSB em ficar com Jackson Barreto.
Na reta final, às coisas que pareciam difíceis para Jackson Barreto, com a possibilidade
de ficar só com o PT, se descomplicaram. Ele conseguiu a unidade do bloco, fez uma chapa
forte, competitiva e fechada antes da convenção partidária, portanto, sem qualquer dor
de cabeça.

Já Amorim, que tudo parecia fácil, se complicou no final para indicar o vice. Entre os
nomes pensados e convidados para o cargo: o deputado estadual Zé Franco (PDT), o
deputado estadual Adelson Barreto (PTB), o deputado federal Valadares Filho (PSB), o
vice-prefeito de Socorro Job, o empresário Augusto Franco Neto (PSDB), o vice-prefeito
José Carlos Machado (PSDB), o empresário Ricardo Franco (PTB), pastor Virgínio (PSC), o
ex-deputado federal Cleonâncio Fonseca (PP) e os deputados estaduais Venâncio Fonseca
(PP) e Luiz Mitidieri (PSD).
Agora, com os times praticamente formados e prontos para entrar em campo, vamos
aguardar o fim do jogo, em 5 de outubro. Que vença o melhor para Sergipe e o povo!!!!

Os candidatos
Sergipe terá três candidatos ao
Governo do Estado: o governador
Jackson Barreto (PMDB), o senador
Eduardo Amorim (PSC) e a professora
Sônia Meire (PSOL), que terá
como vice o geógrafo e jornalista
Roberto Aguiar. Sônia é candidata
pela Frente de Esquerda PSTU/
PSOL/PCB.

De fora
A presidente do PSDB Mulher,Grace Franco, teve dificuldade emconsolidar seu nome com candidatatucana ao governo do Estadodentro do próprio partido, paranão inviabilizar os candidatos proporcionais.Decidiu disputar ummandato de deputada federal.

Coligação 1
Um total de 11 partidos deveintegrar a coligação da chapa encabeçadapelo governador JacksonBarreto. São eles: PMDB, PT,PSB, PDT, PSD, PRB, PROS, PCdoB,PRP, PSDC, PRTB. Jackson visitouquase todas as convenções dessespartidos aliados.

Coligação 2
Já a chapa da coligação docandidato a governador Eduardo Amorim, com o nome “Agora somos nós”, tem pelo menos 15partidos. São eles: PSC, DEM, PTB,PR, PP, PV, PTC, PSL, SDD, PTdoB,PPS, PMN, PHS, PSDB e PEN. Amorimfez a convenção com a maioriados partidos aliados noEmes, com a presença do candidato
a presidente da Repúblicado PSC, pastor Everaldo Pereira,e do prefeito João Alves Filho(DEM).

Justificativa

Eduardo Amorim não conseguiu confirmar o seu vice, à tarde,na coletiva à imprensa. No início da noite, se reuniu com jornalistase radialistas e comunicouque a escolha do vice sairia ainda naquela noite por não ser
só questão política, mas afinidade.Disse que o vice é difícil porque tem que ser uma pessoa com quem vai estar com ele mais tempo do que com a sua família,precisa estar disposto a acordar muito cedo.

Proporcionais 1
Teve desentendimento na formação das chapas proporcionais.Pelo lado de Jackson Barreto,o deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB) chegou a declarar que não aceitaria chapinha para a Assembleia com o PSB. Pelo lado de Amorim foram os deputados Augusto Bezerra (PMDB) e Gilmar Carvalho (SDD) que também declararam que não aceitavam chapinhas. Gilmar, inclusive, chegou até a dizer que podia não estar no palanque de Amorim nas eleições deste ano,se insistissem com essa tese.

Proporcionais 2
O bloco encabeçado por Jackson Barreto fechou duas chapas proporcional para deputado estadual e um chapão para deputado federal. O chapão para a Câmara deve ser composto pelo PSB, PMDB, PRB, PSD, PT, PDT e PROS. E, para Assembleia, uma chapinha PRP, PROS, PC do B, PRB, PSD e PRTB. Na outra chapa, o PMDB, PSB, PT, PSD e o PDT.

Chapinha
O bloco inicial de 10 partidos
visando à formação de uma chapinha,
liderado pelo PPS, conseguiu
formar a chapinha para deputado
estadual na coligação de
Eduardo Amorim com sete partidos:
PPS, PV, PEN, PMN, PTB, PSDB,
PHS. Segundo Nilson Lima, a ideia
“gerou bons frutos”, pois uns ficaram
com Amorim e outros com
Jackson.

Racha 1
Nessa eleição, muitos partidos
estão rachados. É o caso do PDT,
que está na aliança com Jackson
Barreto e tem dois prefeitos que
não vão apoiar sua candidatura
por votarem com Eduardo Amorim:
Zé de Francisquinho (Umbaúba)
e Fernando Lima (Nossa
Senhora das Dores). Além do deputado
estadual Zé Franco.

Racha 2
A mesma coisa acontece com
o DEM, que integra a coligação de
Eduardo Amorim. Dois deputados
estaduais – Goretti Reis e Arnaldo
Bispo - , o deputado federal
Mendonça Prado e o prefeito
Carlos Magno (Estância) já declaram
apoio a Jackson Barreto. O
PSDB, que também está na coligação,
tem dois prefeitos que
votam com JB: Lila Fraga (Lagarto)
e Gracinha (Itaporanga
d´Ajuda). O PPS, os dirigentes Wellington
Mangueira, o ex-vereador
Antonio Samarone e o radialista
Marcos Aurélio estão com

Jackson Barreto.
Vai fazer estrago
O deputado federal Mendonça
Prado (DEM), que conseguiu
registrar sua candidatura à reeleição,
é o mais contrariado com
a aliança do seu partido com os
Amorim. Ele, inclusive, compareceu
ontem à convenção do
PMDB que homologou Jackson
Barreto como candidato a governador,
Belivaldo Chagas como
vice e Rogério Carvalho como
senador. Concedeu entrevista à
imprensa fazendo críticas por
conta da decisão do prefeito João
Alves apoiar Eduardo Amorim,
afirmando que ficaria no palanque
do povo e que irá mostrar nas
ruas o equívoco do seu partido.

Apoio
A ex-primeira dama do Estado
Eliane Aquino, viúva de Marcelo
Déda, compareceu a convenção
do PMDB, na sede do partido. Eliane
foi declarar apoio a Jackson
Barreto, Belivaldo Chagas e a presidente
Dilma Rousseff e reafirmar
que trabalhará para elegêlos,
cumprindo uma promessa
feita a Déda. Ela também participou
da convenção do PT.

Presente
Na convenção do PMDB, Eliane
Aquino presenteou Jackson e
Belivaldo com gravatas vermelhas
que pertenciam a Marcelo
Déda e, segundo ela, eram as favoritas
do ex-governador morto
em 2 de dezembro passado vítima
de um câncer. Jackson disse
que vai usá-la na sua posse. “Déda
está conosco, na gravata, neste
projeto e no amor por Sergipe”,
chegou a declarar JB.

Desabafo
O presidente estadual do PDT,
prefeito Fábio Henrique, disse
ontem que a decisão do partido
apoiar Jackson Barreto não foi
uma decisão isolada sua, mas da
maioria das lideranças, inclusive
Zé Franco, que há 15 dias se reuniram
na casa do governador e confirmaram
apoio a sua reeleição. “O
que fiz foi manter a palavra. Aprendi
com meu pai que homem tem
de ter palavra. Os políticos precisam
fazer isso. Quebraram à cara
aqueles que queriam colocar a
gente na parede”.

Novos candidatos
Segundo Fábio Henrique, com
a desistência do deputado estadual
Zé Franco em ser candidato
à reeleição, a sua mulher Silvia
Fontes será candidata a uma cadeira
na Assembleia. O nome de
Silvia estava fechado para suplente
de Rogério Carvalho para o
Senado. Já para federal irá o sargento
Vieira. Zé Franco está na
lista de inelegíveis nas eleições
deste ano, por problemas quando
foi prefeito de Nossa Senhora
do Socorro.

Último dia
Sábado é o último dia para os
partidos políticos e coligações
apresentarem nos Tribunais Regionais
Eleitorais, até as 19h, o requerimento
de registro de candidatos
a governador e vice-governador,
senador e respectivos
suplentes, deputado federal, deputado
estadual, Também é último
dia para os partidos políticos
e coligações apresentarem no
Tribunal Superior Eleitoral, até as
19h, o requerimento de registro
de candidatos a presidente e
vice-presidente da República.

Veja essa...

Ao saber que os irmãos
Amorim e o seu bloco estavam
pressionando o empresário
Augusto Franco Neto e
Ricardo Franco para serem o
vice de Eduardo Amorim, o
governador Jackson Barreto
ligou para Walter Franco e
Albano Franco questionando
se tinha coragem de que
seus filhos fossem vice de
Amorim. Lembrou a memória
do pai, o governador Augusto
Franco.
... e essa ...
Maria do Carmo acabou
não ficando para a convenção
do PSC, em que seu nome
seria homologado como
candidata ao Senado. Saiu
após ser informada que a sua
filha Ana Maria Alves, que
junto com o marido Mendonça
Prado é contra a coligação,
tinha dado entrada na
urgência do hospital.

Curtas

O sargento Edgar Menezes registrou sua candidatura
a deputado estadual pelo PMN, que está coligado
com Jackson Barreto. Dividirá os votos da PM com
o capitão Samuel (PSL), que disputará a reeleição pela
coligação de Amorim.
O ex-prefeito Edvaldo Nogueira retirou sua candidatura
ao Senado e será candidato a deputado federal.
“Abri mão do projeto individual em benefício do
projeto coletivo”.
O PRTB, do vereador Anderson de Tuca, está na coligação
de Jackson Barreto. Ele é muito ligado a presidente
da Assembleia Legislativa, Angélica Guimarães
(PSC).
O ex-prefeito Sukita, que era pré-candidato a deputado
estadual pelo PSB, não teve sua candidatura
registrada. Ele permanece preso pela acusação de crime
de improbidade administrativa e desvio de recursos.
O ex-governador Albano Franco e o filho Ricardo
Franco foram a convenção do PSC. Segundo informações
chegadas à coluna, Ricardo Franco é o suplente

de Maria do Carmo para o Senado.
Segundo uma fonte, foram à TV Atalaia ontem
pressionar Augusto Franco Neto para ser o candidato
a vice de Amorim: o deputado estadual Zeca
da Silva, o candidato a deputado federal e empresário
Adierson Monteiro, Albano Franco e os irmãos
Amorim.
Ontem à noite, por volta das 22h30, Venâncio
Fonseca postou a seguinte mensagem no twitter:
“Esta noticia que serei candidato a vice não tem
fundamento, sou candidato a deputado estadual”.
Especulou-se que o nome de Venâncio seria
substituido na ata por Augusto Franco Neto, pelo
fato do preidenciável tucano Aécio Neves ter ligado
a pedido dos Amorim para pressionar sua
candidatura. Mais cedo o empresário teria dito que
não seria candidato de jeito algum e continuaria
empresário.
A coluna finalizou as 23h sem conseguir saber
ao certo quem será o vice de Eduardo Amorim. As
atas ainda estavam sendo fechadas.